Notícias

Vândalos destroem equipamentos e espalham merenda em escola recém-inaugurada

Os invasores tiveram acesso a salas da administração da unidade e reviraram documentações da escola

Renan
Renan Vallim / Repórter
Vândalos destroem equipamentos e espalham merenda em escola recém-inaugurada
Vândalos espalharam comida, tinta e carga de extintores de incêndio (Foto: Prefeitura de Ivatuba)

20 de setembro de 2021 - 10:54 - Atualizado em 20 de setembro de 2021 - 10:54

Uma escola municipal de Ivatuba, norte do Paraná, foi invadida entre o domingo e a segunda-feira (19 e 20). Os vândalos destruíram diversos equipamentos da instituição e espalharam alimentos da merenda escolar pelo chão. A escola havia recebido as primeiras aulas há pouco mais de 1 mês. Os 170 alunos da instituição ficarão sem aulas.

O ato de vandalismo foi registrado na Escola Municipal Afrânio Peixoto. Os estragos foram identificados logo nas primeiras horas da manhã de segunda-feira pelos primeiros funcionários a chegarem ao trabalho. Eles imediatamente chamaram a polícia e a Secretaria Municipal de Educação.

“Os vândalos quebraram a janela da despensa e entraram na escola. Eles pegaram café, farinha, bolachas e demais itens da merenda escolar, e jogaram tudo pelo chão da escola. Eles também espalharam tinta de impressora e a carga dos extintores de incêndio. Não levaram nada. entraram apenas para bagunçar“, disse o secretário municipal de Educação, João Paulo Pacheco.

Os invasores tiveram acesso a salas da administração da unidade e reviraram documentações da escola. Um computador ficou avariado após ser alvo da carga de um extintor. Os vândalos também quebraram lâmpadas de emergência.

A escola havia sido inaugurada em novembro de 2019 e teria as aulas iniciadas em 2020. No entanto, com o início da pandemia, as aulas só começaram em agosto de 2021, há pouco mais de um mês. Segundo a Secretaria Municipal de Educação, o valor do prejuízo ainda não foi calculado.

“As aulas foram suspensas por tempo indeterminado. A Polícia Civil fará perícia no local para coletar informações e iniciar as investigações. Só depois poderemos iniciar a limpeza. As aulas devem voltar apenas na próxima semana. Enquanto isso, os alunos ficarão sem aulas“, afirma o secretário.

Segundo ele, já há suspeitos identificados de terem feito o ato de vandalismo. “Pelas marcas de pés e de mãos, é provável que menores estejam envolvidos. Infelizmente, teremos que gastar para melhorar a segurança da escola, instalando alarmes e câmeras, por exemplo. Verba esta que seria destinada para melhorar o parquinho ou demais estruturas”, explica Pacheco.