Notícias

UE diz que doses de reforço contra Covid podem ter riscos legais sem aprovação regulatória

Reuters
Reuters
UE diz que doses de reforço contra Covid podem ter riscos legais sem aprovação regulatória
Profissional de saúde aplica vacina contra Covid-19 em Paris

26 de agosto de 2021 - 10:56 - Atualizado em 26 de agosto de 2021 - 11:01

Por Francesco Guarascio

BRUXELAS (Reuters) – Países da União Europeia que decidirem usar vacinas de reforço contra Covid-19 podem enfrentar riscos legais maiores porque a dose adicional ainda não foi recomendada pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA), disse a Comissão Europeia nesta quinta-feira.

A EMA vem repetindo que precisa de mais dados antes de poder aprovar o uso de doses de reforço, mas oito países europeus decidiram recomendá-las, e mais de uma dúzia estão prestes a adotar ações semelhantes em breve.

“Atualmente, doses de reforço não são parte da autorização de comercialização de vacinas contra Covid-19 e ainda não foram submetidas a uma avaliação científica da EMA devido à ausência de dados suficientes”, disse a Comissão Europeia nesta quinta-feira em um comunicado à Reuters.

“A responsabilidade de decidir incluir vacinas de reforço na campanha de vacinação continua com os Estados-Membros”, disse o comunicado, acrescentando: “Enquanto as doses de reforço não fizerem parte da autorização de comercialização, o compromisso das empresas fica modificado.”

Isto pode significar que, no caso de efeitos colaterais inesperados que possam estar ligados às vacinas de reforço, os países da UE podem arcar com a maior parte de quaisquer consequências legais e exigências de indenização.

A Comissão disse, porém, que o compromisso das empresas não desapareceria inteiramente se as vacinas de reforço fossem administradas sem a aprovação da EMA –por exemplo, se um efeito colateral após uma dose de reforço for causado por problemas de fabricação, a farmacêutica continuaria responsável por ele.

(Reportagem adicional de Stine Jacobsen em Copenhague, Gwladys Fouche em Oslo, Michael Shields em Zurique, Caroline Copley em Berlim)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7P0LK-BASEIMAGE