Notícias

Ucrânia alerta Rússia que qualquer ataque custaria caro

Reuters
Reuters
Ucrânia alerta Rússia que qualquer ataque custaria caro
Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmyrro Kuleba, durante entrevista em Kiev

25 de novembro de 2021 - 09:13 - Atualizado em 25 de novembro de 2021 - 09:15

KIEV (Reuters) – O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia alertou a Rússia nesta quinta-feira que um ataque contra seu país implicaria “perdas políticas, econômicas e humanas” e que custaria caro demais.

A Rússia está ampliando suas forças perto da fronteira ucraniana, e a Ucrânia, os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) expressam preocupações a respeito de um possível ataque russo, uma insinuação que o Kremlin refuta dizendo ser falsa.

“Não estamos tentando adivinhar o que vai na cabeça de (presidente russo, Vladimir) Putin”, disse o chanceler ucraniano, Dmytro Kuleba, em um briefing televisionado.

“Estamos trabalhando para lhe dar um entendimento claro: um novo ataque à Ucrânia custaria caro demais, então é melhor não fazê-lo.”

Ele disse que o principal objetivo da Ucrânia é impedir a Rússia de realizar “ações agressivas adicionais”.

“Para fazê-lo, Moscou precisa entender claramente em quais perdas políticas, econômicas e humanas incorrerá no caso de um novo estágio de agressão”, disse Kuleba.

O chefe da inteligência militar ucraniana disse à publicação Military Times no final de semana que a Rússia tem mais de 92 mil soldados reunidos nos arredores das fronteiras da Ucrânia e que está se preparando para um ataque até o final de janeiro ou o início de fevereiro.

A Ucrânia, que quer se filiar à aliança militar da Otan, recebeu uma grande remessa de munição e de mísseis Javelin dos EUA no começo deste ano, o que provocou críticas do governo russo.

Na terça-feira, a Marinha ucraniana recebeu dois barcos de patrulha adaptados da Guarda Costeira norte-americana, parte de um pacote de assistência de 2,5 bilhões de dólares para a Ucrânia, e Kuleba disse que seu país poderia receber mais uma destas embarcações.

Os laços da Ucrânia com a Rússia entraram em colapso em 2014 depois que o governo russo apoiou separatistas que se rebelaram no leste ucraniano e assumiram o controle de territórios que a Ucrânia quer de volta. O governo ucraniano diz que cerca de 14 mil pessoas morreram no conflito desde então.

A Rússia não desistiu de conversar com a França, a Alemanha e a Ucrânia sobre como implantar um acordo de paz para o leste ucraniano, disse Maria Zakharova, porta-voz da chancelaria, nesta quinta-feira.

(Por Pavel Polityuk)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHAO0EU-BASEIMAGE