Notícias

Tribunal confirma impeachment de Witzel por irregularidades em compras da pandemia

Reuters
Reuters
Tribunal confirma impeachment de Witzel por irregularidades em compras da pandemia
Governador cassado do RJ, Wilson Witzel

30 de abril de 2021 - 19:27 - Atualizado em 30 de abril de 2021 - 19:30

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O Tribunal Especial Misto formado para julgar o impeachment do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), confirmou por unanimidade a cassação do ex-juiz, nesta sexta-feira, por irregularidades em contratos relacionados à pandemia de Covid-19.

Os 10 deputados e desembargadores do tribunal especial votaram pelo impeachment de Witzel, que estava afastado do cargo desde o ano passado. Para que o governador fosse cassado, eram necessários 7 votos.

O governador foi acusado de obter benefícios financeiros e cometer irregularidades em contratos do Estado ligados a compras emergenciais para o enfrentamento à pandemia ao lado do então secretário de Saúde fluminense, Edmar Santos — que posteriormente firmou acordo de delação após ser preso.

Witzel nega ter cometido qualquer irregularidade ou ter obtido benefícios. “Este processo de impeachment está ignorando a jurisprudência dos tribunais superiores e continua usando a delação de Edmar, surpreendido com 10 milhões de reais, como única prova contra mim. Será uma terrível mácula para a democracia brasileira. Triste”, disse ele em uma rede social durante o julgamento.

De acordo com as investigações do Ministério Público, o esquema liderado por Witzel comprou respiradores que não foram entregues e contratou hospitais de campanha que nunca foram entregues, a um custo total de 700 milhões de reais.

“Setores de máquina administrativa foram loteados para direcionar contratações superfaturados que resultaram na mal versação de recursos públicos desde o governador até aliados, subordinados e integrantes do esquema“, disse no seu voto o desembargador Fernando Foch.

“Foi tudo muito danoso ao povo, à saúde pública, e incompatível com a honra e o decoro”, acrescentou.

Witzel foi afastado do cargo no ano passado por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e posteriormente pela Assembleia Legislativa do Estado.

Antes do julgamento desta sexta, a defesa de Witzel tentou barrar, suspender e adiar o julgamento, mas o governador colecionou derrotas atrás de derrotas.

O Estado do Rio convive há anos com crises econômicas e financeiras e com escândalos que já levaram à prisão os ex-governadores Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão, Anthony Garotinho, Rosinha Garotinho e Moreira Franco.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3T1DS-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.