Notícias

Trabalhadores da obra do Gaslub denunciam contaminação em massa por covid-19

Estadão
Estadão Conteúdo

30 de junho de 2020 - 14:54 - Atualizado em 30 de junho de 2020 - 14:54

A volta dos trabalhadores nas obras do Gaslub (ex-Comperj) em Itaboraí, município do Rio de Janeiro, multiplicou a contaminação de covid-19 entre os empregados das empresas contratadas pela Petrobras, segundo representantes de sindicatos e da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) do local. De acordo com os trabalhadores, a testagem rápida e a medição de temperatura têm sido insuficientes para conter a disseminação do vírus e as baixas têm sido constantes.

Falando sob anonimato para evitar retaliações das empresas, trabalhadores contratados por empreiteiras para a obra acusam a petroleira de deixar na mão das terceirizadas o controle da disseminação do vírus, determinando apenas diretrizes de combate à pandemia, e quando atua faz testes rápidos quinzenais para detectar a doença, uma prevenção considerada inócua por infectologistas.

Segundo os trabalhadores, os testes rápidos não estão dando resultado para conter o vírus, já que apenas os empregados que apresentam anticorpos IGM positivos estão sendo postos em quarentena, deixando no local de trabalho os que possuem IGG positivo, o que contraria as orientações científicas, segundo os trabalhadores.

IG é a sigla para imunoglobulina, um tipo de anticorpo produzido pelo sistema imunológico contra um agente invasor. No caso do teste identificar a presença do anticorpo IGM, o paciente está ou esteve infectado recentemente e o corpo ainda luta contra a infecção, e é posto em quarentena. Já se o reagente for o IGG, o paciente já teve a infecção e possivelmente está imunizado. Na avaliação dos trabalhadores, todos que tiveram alguma reação deveriam ser afastados, assim como os trabalhadores que tiveram contato com a pessoa infectada.

Na obra trabalhavam cerca de seis mil pessoas antes da pandemia. Em março, houve redução para 35% desse total. Em maio, as empresas contratadas elevaram esse efetivo para 75% e em junho, segundo os trabalhadores, 100% da equipe teria retomado os trabalhos, o que foi negado pela Petrobras. Segundo a companhia, atualmente 35% dos funcionários continuam fora da obra, ou 2.100 pessoas.

Segundo as fontes, mais de 300 trabalhadores já testaram positivo na obra, e a cada testagem um número maior de pessoas se revela com o vírus. Já seriam seis os óbitos por covid-19 no Gaslub, segundo os sindicalistas e representantes da Cipa ouvidos pelo Broadcast, o que não é confirmado pela Petrobras, que afirmou não comentar o assunto. Procuradas, as empreiteiras que trabalham no Gaslub também não responderam à reportagem.

“A Petrobras tem compromisso com o cuidado e a proteção dos colaboradores, incluindo seus familiares e pessoas próximas. Por isso a companhia não vai informar quando algum colaborador tiver confirmação ou complicações decorrentes da covid-19. A companhia entende que, em linha com nosso valor de respeito às pessoas, a garantia da privacidade e do sigilo se sobrepõe nessas situações”, disse a Petrobras em resposta ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

A estatal afirmou que desde o início da pandemia de covid-19 tem adotado medidas de proteção a todos os empregados e terceirizados para reduzir a propagação do vírus. A empresa disse que já realizou quatro mil testes rápidos no Gaslub e que continuará testando os empregados para garantir o retorno gradual ao trabalho na obra.

O Gaslub substituiu o Comperj, que seria um grande complexo petroquímico ligado à produção de gás natural do pré-sal. O projeto, administrado pelo ex-diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, afundou junto com a Operação Lava Jato, que investigava a corrupção dentro da Petrobras. Agora, o batizado de Gaslub, o local vai abrigar o gasoduto conhecido como Rota 3, para escoamento do gás do pré-sal, e uma unidade de processamento desse gás (UPGN), com capacidade para 21 milhões de metros cúbicos diários.

“A Petrobras reforça que as medidas preventivas adotadas em suas unidades – entre elas monitoramento da saúde antes do embarque ou início do turno; canais de comunicação e orientação para colaboradores; testagem de colaboradores com suspeita ou para triagem – são extensivas aos colaboradores de empresas prestadoras de serviços com a finalidade de reduzir a propagação do vírus nas unidades”, informou a estatal.

No canteiro de obras, a Petrobras informa ainda que outros cuidados foram tomados, como rotas de transporte pré-estabelecidas para o local evitando contato, mudança nos turnos de horários de alimentação para evitar aglomeração, reforço em medidas de higienização nos locais, uso obrigatório de máscara, disponibilização de álcool em gel e instalação de pias para higienização das mãos dos colaboradores.

Mesmo com todos esses cuidados, a Petrobras lidera, em número de empregados contaminados, a lista de empresas ligadas ao Ministério de Minas e Energia (MME). Segundo o ministério, dos 46.416 empregados próprios da empresa, 1.547 foram contaminados pela covid-19, sendo que 1.333 já estão recuperados. O Ministério Público do Trabalho tem acompanhado a evolução dos casos, mas diante de divergências nos dados informados, vem estudando como proceder junto à estatal.

“A Petrobras parou de informar o histórico de contaminação e passou a informar apenas os casos ativos da doença. Então fica difícil saber exatamente quantos casos de covid temos”, explicou a procuradora Flávia Bauler ao Broadcast, informando que a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e outra procuradora do MPT estão analisando medidas cabíveis para obter os números corretos.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.