Tecnologia

Por quê o Brasil sofre com tantos vazamentos de dados? Entenda e se proteja

O Brasil sofreu mais de 3,4 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos em 2020. Os sistemas brasileiros são frágeis e a LGPD ainda é ineficiente.

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

16 de fevereiro de 2021 - 21:24 - Atualizado em 16 de fevereiro de 2021 - 21:24

O Brasil sofreu mais de 3,4 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos em 2020. Estudos apontam ainda que, na América Latina, os ataques giraram em torno de 20 bilhões.

O Brasil tem passado por uma onda vazamento de dados nunca antes vivenciada. Mais de 200 milhões de brasileiros tiveram seus dados vazados por hackers. Se levarmos em conta que o Brasil tem 136 milhões de brasileiros conectados, o estrago foi impactante. Mas por quê o Brasil virou um alvo tão frágil para os hackers?

“Basicamente, são três fatores envolvidos no vazamento de dados. Primeiramente, uma população muito grande, poucos países têm mais de 200 milhões de habitantes. Em segundo, nossa população é razoavelmente bem digitalizada, com mais de 136 milhões de pessoas conectadas. E o terceiro ponto é uma legislação tardia. A LGPD demorou a entrar em vigor e as empresas não deram muita importância ao tema. O que está acontecendo é que as bases estão frágeis e os hackers se aproveitam disso“, explica Arthur Igreja, especialista em tecnologia e segurança digital.

Cada dia mais fica comprovado que as empresas não tem como evitar os ataques cibernéticos, pois não é só a quantidade, mas a amplitude desses ataques é algo que assusta, pois não envolve apenas o vazamento de uma empresa ou alguns dados. Uma população brasileira inteira teve seus dados pessoais expostos na internet e sequer consegue saber que suas informações circulam por aí.

O que as pessoas devem fazer é apenas colocar seus dados pessoais e fazer compras em sites conhecidos e confiáveis, além de ficar sempre atento a movimentações em sua conta bancária, já que o objetivo da maioria dos hackers é obter vantagens financeiras com os dados que ele conseguiu.

DE FORA PARA DENTRO

Igreja ainda explica que não são apenas hackers brasileiros envolvidos nessas ações. Um dos ataques foi coordenado por um grupo de Portugal, mostrando que não há barreiras geográficas.

“A LGPD chegou atrasada e já é insuficiente, assim como o marco da internet brasileira foi feito de forma tardia. A tecnologia avança rápido demais. Então, tão logo se solidifica isso, no dia seguinte já aparece alguma defasagem. Por isso que a lei precisa ser um organismo vivo em constante evolução”, afirma o especialista.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.