Notícias

TCE mantém proibição para concessionárias de pedágio do Paraná participarem de nova licitação

Nesta quarta-feira (3), o Pleno do TCE/PR homologou a medida cautelar emitida pelo conselheiro Nestor Baptista no dia 28 de outubro

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
TCE mantém proibição para concessionárias de pedágio do Paraná participarem de nova licitação
Foto: Geraldo Bubniak/ANPr

3 de novembro de 2021 - 17:02 - Atualizado em 3 de novembro de 2021 - 18:37

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE/PR) manteve a determinação, do conselheiro Nestor Baptista, de que as atuais concessionárias do pedágio que atuam no estado sejam proibidas de participar do novo processo licitatório para a concessão das rodovias paranaenses. 

Na decisão, desta quarta-feira (3), os conselheiros ressaltaram que para dar aval a medida cautelar, emitida no dia 28 de outubro, foi levado em conta que os contratos com as concessionárias de pedágio não foram cumpridos integralmente, que houve o suposto pagamento ilegal de R$ 9,9 bilhões às empresas e que 28 obras não foram concluídas.

A resolução atinge as concessionárias Rodonorte, Ecocataratas, Ecovia, Viapar, Econorte e Caminhos do Paraná e foi uma resposta a uma denúncia feita pelo deputado estadual Marcos Adriano Ferreira Fruet. 

Conforme o despacho de Baptista, as empresas já estavam proibidas de contratar e licitar com o governo estadual, mas em 2020, a Controladoria Geral do Estado (CGE) revogou a decisão, sob a alegação de que as concessionárias procuraram o Estado para solucionar pendências dos contratos.

O conselheiro ressaltou que dados da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) apontam supostos erros de cálculos que teriam ocasionado o  enriquecimento das empresas em R$ 9,9 bilhões de reais. Enquanto, segundo ele, a proposta de acordo feita pelas concessionárias “não foi suficiente para recompor os danos ao erário relatados pela própria Agência, nem mesmo para frear a participação dessas concessionárias em licitações”.

Baptista destacou ainda a possibilidade das obras contratadas não serem finalizadas dentro do prazo de prazo da vigência do contrato e que a resolução do CGE possibilitou à Rodonorte vencer as licitações das concessões dos aeroportos de Curitiba, Foz do Iguaçu e Londrina. 

A decisão foi comunicada à Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar), ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR) e à Controladoria-Geral do Estado (CGE-PR).

As empresas têm até 15 dias para todos os envolvidos se manifestarem sobre a decisão. Os efeitos da cautelar perduram até que o mérito do processo seja julgado, a não ser que a medida seja revogada antes disso.

Os contratos com as concessionárias que atuam no Paraná terminam no mês de novembro, mas o leilão que definirá as novas concessões só ocorrerá no terceiro trimestre de 2022. Conforme o secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva, o governo ainda não definiu como serão feitos os serviços de manutenção e emergência nas rodovias estaduais e federais nesse meio tempo, porém, não descarta a possibilidade das atuais empresas de pedágio continuarem operando até o leilão, sem cobrar pedágio, como forma parcial de ressarcirem os cofres do Estado pelas obras previstas em contato e não entregue.

O que dizem as concessionárias

Em nota, a Viapar declarou que irá apresentar sua defesa e esclarecimentos ao TCE/PR. Veja na íntegra: “A Viapar está ciente desse processo e vai apresentar sua defesa e esclarecimentos. Lembramos que a concessionária está executando todas as obras pendentes e está pronta para desmobilizar o atual contrato. A Viapar não pode participar de novas licitações pois foi constituída para fins específicos, no caso, o atual contrato. Por outro lado, não há decisão judicial que impeça as empresas acionistas de concorrerem numa próxima licitação.

A RodoNorte informou que irá recorrer a decisão e demonstrar que os fundamentos levantados pelo conselheiro são inconscientes. Veja na íntegra: “A RodoNorte informa que tomou conhecimento da decisão cautelar proferida pelo TCE/PR relativa à declaração de inidoneidade e consequente proibição de contratar com o Poder Público Estadual, até a apreciação do mérito da denúncia.
 
A Concessionária, que não foi intimada previamente para se manifestar no referido processo, recorrerá da referida decisão cautelar e demonstrará, no mérito, a impropriedade e inconsistência dos fundamentos que ensejaram a representação.
 
Adicionalmente, a CCR RodoNorte esclarece que vem cumprindo todas as obrigações contratuais e aquelas assumidas no acordo de leniência assinado com o Ministério Público Federal do Paraná e não possui pendências.”

A Ecocataratas informou que irá tomar as medidas cabíveis.

A Econorte declarou que não irá se manifestar.

O RIC Mais aguarda posicionamento das concessionárias Ecovia e Caminhos do Paraná.