Internacionais

Tailândia: cai nível de oxigênio em caverna onde meninos estão presos

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

6 de julho de 2018 - 00:00 - Atualizado em 6 de julho de 2018 - 00:00

Na Tailândia, o baixo índice de oxigênio aumenta a preocupação com a saúde do grupo de meninos. (Foto: EKATOL/Facebook/Reprodução)

Taxa de oxigênio em gruta inundada desceu a 15%, segundo o chefe da Marinha no país; baixo teor pode causar morte ou graves danos cerebrais

O nível de oxigênio na caverna inundada onde estão presos 12 meninos tailandeses e seu técnico de futebol caiu para 15%, afirmou nesta sexta-feira (6) o chefe da Marinha no país, Aphakorn Yoo-kongkaew. As informações são da rede de notícias CNN.

O baixo índice aumenta a preocupação com a saúde do grupo, já que oferece altos riscos de hipóxia — estado de baixo teor de oxigênio em tecidos orgânicos que pode causar a morte ou graves danos cerebrais — para os adolescentes.

Estratégia das autoridades

As autoridades na Tailândia inicialmente pensavam que poderiam manter o grupo de adolescentes dentro da gruta por meses até que a temporada das cheias passasse. Mas a morte de um mergulhador da Marinha nesta sexta-feira acabou por evidenciar os riscos para equipes de resgate que tentam encontrar uma maneira de salvar o grupo que está há 13 dias debaixo da terra.

Samarn Poonan, de 38 anos, morreu devido à falta de ar enquanto tentava retornar ao centro de comando da operação, a dois quilômetros do local onde se encontra abrigado o time de futebol.

“Não podemos mais esperar que todas as condições se ajeitem por causa dessa situação opressora”, declarou Yoo-kongkaew a jornalistas.

Leia também: Resgate de meninos de caverna na Tailândia pode levar semanas

“Originalmente, pensamos que os garotos poderiam ficar seguros dentro da caverna por um bom tempo, mas as circunstâncias mudaram”, completou chefe da Marinha. Segundo a CNN, o oficial não disse quanto tempo eles poderiam sobreviver com a atual qualidade do ar, mas ponderou que bombear oxigênio para dentro da gruta é agora prioridade máxima.

Curta a página do RIC Mais Paraná no Facebook