Notícias

Suspeito de integrar rede internacional de pedofilia é preso em Cascavel

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

13 de abril de 2017 - 00:00 - Atualizado em 13 de abril de 2017 - 00:00

Identidade do homem preso em Cascavel não foi revelada (Foto: Pixabay)

Operação cumpriu mandados de busca e de prisão em 10 estados do Brasil e no Distrito Federal

Um homem de 36 anos foi preso em Cascavel, na região oeste do Paraná, suspeito participar de uma rede internacional de pedofilia. A prisão aconteceu na quarta-feira (12) no âmbito da Operação Acervo Proibido, da Polícia Federal, que investiga crimes de armazenamento e compartilhamento de imagens sexuais envolvendo crianças e adolescentes.

Ao todo, seis pessoas foram presas pela Polícia Federal. Foram cumpridos ainda 20 mandados de busca e quatro de prisão em dez Estados do País, além do Distrito Federal. 

De acordo com a delegada chefe do Departamento da PF em Sorocaba, Érika Coppini, os investigados trocavam por e-mail arquivos com vídeos e fotos contendo cenas de exploração sexual de crianças.

Em alguns casos, as vítimas eram bebês – a idade das vítimas ia de 6 meses a 12 anos. Durante o cumprimento dos mandados de busca, três suspeitos foram flagrados acessando e compartilhando material com pornografia infantil e acabaram presos em flagrante – um deles já tinha mandado de prisão preventiva.

Computadores, filmadoras e acessórios foram apreendidos. A operação Acervo Proibido foi desencadeada a partir de investigação iniciada pela PF em abril de 2015, quando um homem de 32 anos foi preso em Sorocaba, São Paulo, fazendo distribuição de pornografia infantil.

A partir do material apreendido com ele, foram analisadas 2,5 mil mensagens via internet envolvendo exploração sexual de crianças.

Conforme a PF, os suspeitos, com idade entre 25 e 40 anos, integravam uma rede internacional de pedofilia virtual que se estendia a outros países, como Estados Unidos, México, Nicarágua Peru, Equador, Alemanha, Espanha, Holanda e Emirados Árabes. A polícia brasileira encaminhou informações à Interpol para a investigação da rede.

De acordo com a delegada, um núcleo de combate à exploração sexual de crianças sediado nos Estados Unidos colaborou com a investigação repassando mensagens com conteúdo de pornografia infantil, trocadas pela internet e detectadas pelo núcleo.

Os suspeitos devem responder pelos crimes de estupro ou ato libidinoso com menor de 14 anos, com pena de reclusão de 8 a 15 anos, e ainda pelos delitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) referentes à distribuição de pornografia infantil, com penas previstas de 3 a 6 anos, além de multa.

Veja também: Comerciante de Sarandi é preso acusado de abusar de sete meninos