Notícias

Superfungo causa morte de jovem de 17 anos; é a primeira na América do Sul

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

29 de novembro de 2018 - 00:00 - Atualizado em 29 de novembro de 2018 - 00:00

O fungo Lomentospora prolifican causou a primeira morte na América do Sul (Foto: FRANÇOISE DROMER/DIVULGAÇÃO)

Diferentemente das superbactérias, fungos multirresistentes são contraídos pela respiração; estudo frisa importância da rápida identificação desse fungo

Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Medicina Tropical da USP (Universidade de São Paulo) descreveu o primeiro caso de morte por superfungo na América do Sul em um jovem de 17 anos de São Paulo. O caso ocorreu no final do ano passado, mas foi publicado recentemente no jornal científico Transplant Infectious Diseases.

Jovem morre por causa de superfungo

O paciente com baixa imunidade havia passado por um transplante de medula óssea e foi infectado pelo Lomentospora prolifican, um fungo multirresistente a medicações antifúngicas utilizadas em tratamentos. Segundo a pesquisa, o paciente já possuía uma doença autoimune e o transplante foi o tratamento escolhido para amenizar o problema.

Após ter mostrado rejeição ao transplante, mesmo depois de ter recebido alta médica, voltou a ser hospitalizado, pois havia sido infectado pelo fungo. “Trata-se de um caso isolado. O paciente era imunodeprimido e estava mais sujeito a contrair infecções. A infecção não foi por meio hospitalar, mas pelo ambiente”, afirma João Nóbrega de Almeida Jr., um dos autores do estudo, pesquisador do Hospital das Clínicas de São Paulo e do Instituto de Medicina Tropical da USP. “A suspeita é de que o jovem tenha contraído o fungo por meio da respiração”, afirma.

Fungo Lomentospora prolifican

De acordo com o especialista, os casos mais graves ocorrem na Austrália, Estados Unidos e Espanha, mas isso não significa que outros países não tenham o fungo. “O fungo Lomentospora prolifican é encontrado no solo e em plantas em decomposição. Ele também está no Brasil, mas nunca ocasionou morte. Essa foi a primeira vez”, explica Almeida Jr. O médico ainda explica que, em sistemas imunológicos saudáveis, o fungo pode estar ligado a infecções pulmonares, de pele e das orelhas, mas não origina casos graves como o descrito no estudo.

Almeida Jr. afirma que o fato não deve gerar alarme, pois se trata de um caso que afetou um paciente mais fragilizado. Para o especialista, o caso serve como alerta para equipes médicas e laboratoriais para a rápida identificação e tratamento de agentes fúngicos como esse. “O que avaliamos é que, com a aplicação de antifúngicos na agricultura e com o aquecimento global, os ‘superfungos’ apresentam maior proliferação, já que são mais resistentes e crescem em ambientes com mais de 35ºC”, explica.

De acordo com o autor do estudo, a maioria dos fungos é contraído por meio da respiração, diferentemente das bactérias, que podem ser contraídas pelo contato e por meio do ambiente. Entre os superfungo, o Candida auris se destaca, segundo o pesquisador. Diferentemente da maioria, é contraído pelo contato e vem causando infecções hospitalares em outros países, mas não chegou ao Brasil.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.