Notícias

STJ concede detenção domiciliar a Crivella após prisão por corrupção no Rio

Reuters
Reuters
STJ concede detenção domiciliar a Crivella após prisão por corrupção no Rio
Prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, é escoltado por policiais após ser detido no Rio

23 de dezembro de 2020 - 07:57 - Atualizado em 23 de dezembro de 2020 - 08:00

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), deixará a prisão nesta quarta-feira após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) converter a prisão dele em detenção domiciliar.

O habeas corpus foi concedido na noite de terça pelo presidente do STJ, ministro Humberto Martins, horas depois de o prefeito ter sido detido em casa acusado de chefiar uma organização criminosa que recebeu mais de 53 milhões de reais em propina de empresas que tinham contrato com o município ou estavam na lista da rubrica restos a pagar.

Pela decisão do STJ , Crivella, cujo mandato termina no dia 31 deste mês, terá de usar tornozeleira eletrônica fora da prisão e não poderá ter contato com outros investigados no processo. O prefeito terá de entregar à Justiça celulares, tablets e computadores, e está proibido de sair de casa sem autorização e de usar telefones.

Segundo o STJ, não há necessidade de manter o prefeito preso porque as investigações sobre o esquema de propina não ficam comprometidas.

“Não obstante o juízo tenha apontado elementos que, em tese, justifiquem a prisão preventiva, entendo que não ficou caracterizada a impossibilidade de adoção de medida cautelar substitutiva menos gravosa, a teor do artigo 282, parágrafo 6º, do Código de Processo Penal”, destacou o ministro.

A Justiça do Rio determinou a prisão de sete pessoas e ainda determinou o afastamento de Crivella das atividades do município.

Depois de ser preso em casa na manhã de terça-feira, Crivella prestou depoimento na delegacia fazendária da Polícia Civil e participou de uma audiência de custódia no Tribunal de Justiça do Rio . De lá, ele seguiu para o presídio de Benfica.

Ele foi o primeiro prefeito da cidade a ser preso no exercício do mandato.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGBM0OT-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.