Notícias

Sobreviventes de tornado no Kentucky vasculham destroços em cenário de destruição

Reuters
Reuters
Sobreviventes de tornado no Kentucky vasculham destroços em cenário de destruição
Mulher dentro de casa que teve telhado arrancado por tornados em Dawson Springs, Kentucky

12 de dezembro de 2021 - 15:13 - Atualizado em 12 de dezembro de 2021 - 15:15

Por Gabriella Borter

MAYFIELD, Kentucky (Reuters) – Moradores do Estado norte-americano de Kentucky, muitos dos quais sem energia elétrica, gasolina ou mesmo um teto, acordaram neste domingo em uma paisagem desolada por uma série de poderosos tornados que podem ter deixado ao menos 100 mortos, além de destruir casas, negócios e tudo o que encontraram no caminho.

Autoridades disseram que tinham pouca esperança de encontrar sobreviventes debaixo dos destroços, mas os socorristas continuavam a vasculhar o entulho e moradores salvavam os pertences que conseguiam encontrar.

Ao menos 100 pessoas podem ter morrido apenas no Kentucky, após tornados terem castigado o Meio-Oeste e o Sul dos EUA na noite de sexta-feira.

Seis funcionários morreram em um armazém da Amazon.com em Illinois. Um asilo foi atingido no Missouri. Mais de 70.000 pessoas ficaram sem luz no Tennessee.

Timothy McDill, de 48 anos, um técnico de manutenção de refrigeradores, dormiu no sábado sem energia em sua casa, em Mayfield, que seus pais compraram em 1992. Um poste de telefones atravessou a janela e a parede de tijolos foi arrancada, deixando o interior exposto.

Na noite da tempestade, ele amarrou a si mesmo, sua esposa, os dois netos de 14 e 12 anos, seus dois chihuahuas e um gato a um cano de esgoto no porão usando uma corda de mastro e esperou a tempestade passar.

“Eles agiram como soldados, não choraram muito”, disse McDill sobre as crianças. “Eu e minha esposa é que choramos. Estávamos com medo de perder as crianças e eles não pensaram nisso.”

Steve Wright, de 61 anos, estava dirigindo em busca de gasolina na manhã de domingo e estava nervoso porque estava acabando. Ele mora em Mayfield há quatro anos e seu condomínio foi poupado.

Após a tempestade passar, ele pegou uma lanterna e começou a andar pela cidade buscando pessoas que poderiam estar soterradas. Ele acabou ajudando um pai a retirar o corpo de seu filho de 3 anos dos destroços.

“Foi ruim. Eu ajudei a tirar o bebê morto logo ali”, disse, gesticulando em direção aos destroços do que era uma casa de dois andares. “Eu rezei por ambos, foi tudo que eu pude fazer.”

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHBB0AA-BASEIMAGE