Tecnologia

Seu emprego está ameaçado: o que fazer a respeito

Carol
Carol Machado
Seu emprego está ameaçado: o que fazer a respeito

30 de agosto de 2019 - 00:00 - Atualizado em 30 de agosto de 2019 - 00:00

O mundo passa pela 4ª revolução industrial. O fenômeno desencadeia uma série de transformações, ancoradas por tecnologias exponenciais. É nesse cenário que surgem as previsões para um futuro que divide opiniões: enquanto alguns estudos apontam que o futuro será repleto de oportunidades; outros informam que, para tentar restabelecer o equilíbrio entre tecnologia e seres humanos, será necessário a intervenção das instituições públicas e privadas.

Empregos de menos versus novas oportunidades

Um estudo realizado pela UnB revela que 54% dos empregos no país serão substituídos por robôs. Enquanto uma onda de pessimismo sobre o futuro toma conta, o Fórum Econômico Mundial, no seu relatório de 2018, estima que, para cada 1 milhão de empregos eliminados, 1,75 milhão de novos empregos poderão ser criados.

Estamos preparados para as mudanças? Para isso acontecer, porém, todas as previsões otimistas concordam que haverá a necessidade de cooperação em três esferas: a social, os governos e as instituições privadas, mas o equilíbrio entre essas forças é o gargalo: pesquisa da Accenture informa que 67% dos entrevistados querem se educar e serem alfabetizados em tecnologia, mas, que, apenas 3% dos líderes das empresas entrevistadas querem investir em treinamento.

Reinvenção como habilidade para o futuro

Yuval Noah Harari, historiador israelense, fala que a educação tradicional dividida em partes complementares – o aprendizado e depois a aplicação dos conhecimentos -, não se encaixa nesse mundo de mudanças aceleradas. Para o autor, o mais importante será a habilidade para lidar com as mudanças, preservar seu equilíbrio mental em situações que não são familiares e se reinventar várias e várias vezes.

Reskilling: o aprendizado contínuo

Para Yuval, as pessoas que não tiverem muito claro o pensamento de aprendizado contínuo estarão fadadas ao ostracismo. O termo que melhor define essa necessidade permanente de desenvolvimento, aperfeiçoamento de habilidades e trabalho colaborativo é conhecido como Reskilling e pode ser aplicado não só às pessoas, mas também para empresas e governos.

Convite ao debate

Para debater o futuro dos empregos e o desenvolvimento contínuo de habilidades, a How, escola de cursos livres focada na construção de hablidades, criou a websérie Reskilling, que apresenta o olhar de seis convidados – Arthur Igreja (AAA), Leandro Henrique de Souza (How Bootcamps), Victoria Figueria (Glovo), Adeildo Nascimento (ABRH/MadeiraMadeira), Barbara Ritzmann (CINQ Technologies) e Tiago Moreira (Mirum) – tratando de temas e habilidades que farão a diferença na educação e trabalho.

Para conferir os 6 episódios da websérie acesse o canal da escola, clicando aqui.