Notícias

Senadores da CPI da Covid acreditam ter elementos para indiciar Bolsonaro

Reuters
Reuters
Senadores da CPI da Covid acreditam ter elementos para indiciar Bolsonaro
Senador Renan Calheiros

11 de agosto de 2021 - 19:53 - Atualizado em 11 de agosto de 2021 - 19:55

(Reuters) – Senadores que integram a CPI da Covid acreditam que a comissão já reúne elementos suficientes para pedir o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por seu papel durante a pandemia, e citaram entre os possíveis crimes o exercício ilegal da medicina e causar epidemia.

“Eu defendo que sim que o presidente da República seja indiciado por crime de curandeirismo, por propor soluções mágicas de doenças que não têm tratamento, o que é uma forma de exercício ilegal da medicina”, disse o senador Humberto Costa (PT-PE), de acordo com a Agência Senado.

A CPI tem o poder de pedir ao Ministério Público o indiciamento de pessoas que tenham sido consideradas responsáveis pelos fatos investigados. Os pedidos de indiciamentos serão anunciados por ocasião do relatório final da comissão.

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), disse que “provavelmente” Bolsonaro será enquadrado em algum crime, e ressaltou que a decisão final será tomada pela CPI como um todo em votação.

“Queremos um desfecho absolutamente verdadeiro, dentro dos limites da Constituição e da legislação brasileira” afirmou Renan, segundo a agência, acrescentando que o relatório ainda não tem data para ser apresentado, mas que está se esforçando para antecipar a entrega do documento.

Vice-presidente do colegiado, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que, em sua opinião, Bolsonaro poderia ser enquadrado por homicídio qualificado e por “causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos”, conforme previsto no Código Penal.

Bolsonaro é apontado por senadores da CPI como responsável por contribuir para o elevado número de mortes por Covid-19 no Brasil por sua postura contra o uso de máscaras e o distanciamento social, ao mesmo tempo em que defende o uso de medicamentos sem eficácia contra a doença e se colocou inicialmente contra as vacinas.

O Brasil tem o segundo maior número de mortes por Covid no mundo, com mais de 565 mil óbitos causados pela doença.

(Redação Rio de Janeiro)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7A1BL-BASEIMAGE