Segurança

Vítima de estupro reconhece Penkal como autor do crime que ocorreu em loja de Curitiba

A jovem disse não ter dúvidas de que foi abusada sexualmente por Guilherme Penkal; ela fez o reconhecimento pessoal e de voz

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Vítima de estupro reconhece Penkal como autor do crime que ocorreu em loja de Curitiba
Foto: Reprodução/Instagram guillermepenkal

16 de julho de 2021 - 14:02 - Atualizado em 16 de julho de 2021 - 14:09

Guilherme Penkal, de 33 anos, foi pessoalmente reconhecido pela vítima, na manhã desta sexta-feira (16), como autor do estupro que ocorreu dentro de uma loja localizada no centro de Curitiba durante a tarde de 9 de julho. Ele era considerado foragido e se entregou durante a madrugada.

Emocionada, a jovem de 25 anos, que não será identificada, conversou com a equipe da RIC Record TV quando deixava a Casa da Mulher Brasileira, na capital. Apesar de abalada, ela declarou estar aliviada pelo fato do agressor sexual estar atrás das grades. 

“Tinha mais pessoas e eu tinha que identificar qual era e, com certeza, era ele. Sem dúvidas. Foi horrível, eu não queria ter visto ele nunca mais. Tudo é difícil, mas pelo menos ele não vai estar atacando outra pessoa por aí. Eu espero que ele fique muito tempo [preso]. Por mim poderia ficar a vida inteira”,

disse a vítima. 

Segundo ela, além do reconhecimento por imagem, a voz de Penkal também foi identificada como sendo a mesma do estuprador. “Ele tem um jeito bem característico de falar, com a língua presa. Então, com certeza era ele”, completou. 

“Para o trabalho eu não voltar. Acredito que eu não tenha coragem nem de trabalhar em comércio mais, mas a vida segue. Eu vou fazer um tratamento para perder o trauma. Eu não sei dizer como estou, eu estou congelada ainda, acho que ainda a ficha não caiu. Eu só estava empenhada em fazer com que ele fosse reconhecido e preso e a partir de agora, eu vou ver como eu vou ficar. Vou cuidar mais de mim porque eu não estava mais conseguindo dormir a noite”,

relatou a jovem sobre as dificuldades de superar o estupro. 

Ela ainda declarou que acredita não ser sido a única vítima de estupro de Penkal. “Uma pessoa que faz isso da forma que ele fez, sem medo, de porta aberta, com certeza é alguém que já fez com outras, já tem habilidade nisso.”

“Eu torço para que ele fique lá eternamente porque eu não acredito na redenção de uma pessoa assim”,

finalizou a vítima de estupro. 

Leia mais: Suspeito de estuprar jovem em loja é conhecido na internet por ensinar terapias alternativas

Leia mais: Polícia divulga imagens de suspeito de estuprar jovem em loja de Curitiba

Quem é Guilherme Penkal

De acordo com a delegada Vanessa Alice, da Casa da Mulher Brasileira, Penkal é terapeuta quântico e já tem passagens pela delegacia por estupro, em 2011, e por ato obsceno, em 2013. Além disso, o suspeito ensina terapias alternativas na internet e tem um canal no Youtube, no qual se apresenta como profundo conhecedor da lei da atração.

O crime

No dia do crime, Penkal entrou na loja onde a vítima trabalhava na rua Prudente de Moraes, pediu algumas informações e foi embora. Minutos depois voltou, apontou uma arma para a jovem, mandou ela ir para os fundos do estabelecimento comercial e lá cometeu o estupro. Durante o abuso sexual, uma cliente chegou a entrar no local, mas foi dispensada pelo estuprodor que afirmou estar cuidando da loja para a vítima. 

Na sequência, o homem trancou a jovem nos fundos da loja e foi embora calmamente. “Eu falei ‘moço, pelo amor de Deus, não me tranca’, eu estava com medo e não queria ficar lá, sozinha, trancada, ele falou ‘calma, eu não vou fazer mais nada com você, o que eu queria fazer eu já fiz’“, contou a vítima. 

Penkal rondando o local do crime antes de cometer o estupro. (Foto: Reprodução/Câmera de Segurança)

Ele saiu levando o celular da jovem, cerca de R$ 50 em dinheiro e as chaves da loja. O celular e as chaves foram localizados posteriormente na rua, nas proximidades.

Durante a investigação, a Polícia Civil descobriu que antes de cometer o estupro, ele ficou andando pela região e foi flagrado por várias câmeras de segurança. Graças as imagens, ele pôde ser identificado.

Denuncie

Com a prisão do suspeito, a polícia acredita que mais vítimas possam aparecer e denunciar casos semelhantes de abuso sexual contra Penkal. As denúncias podem ser feitas à Delegacia da Mulher pelo telefone 41.3219-8600 ou ao Disque Denúncia da Polícia Civil pelo 181.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.