Segurança

Tio que matou sobrinha por ciúmes se entrega na delegacia em Rio Branco do Sul

Leidy Luana Peixoto, de 20 anos, foi assassinada com um golpe de facão no pescoço; o homem é irmão da mãe da vítima

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Tio que matou sobrinha por ciúmes se entrega na delegacia em Rio Branco do Sul
Foto: Reprodução/Grupo RIC

16 de julho de 2021 - 13:23 - Atualizado em 16 de julho de 2021 - 13:29

O tio que matou a sobrinha em Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, se entregou na delegacia na manhã desta sexta-feira (16). Adão Faria Cardoso deve prestar depoimento nas próximas horas. 

Leidy Luana Peixoto, de 20 anos, foi assassinada com um golpe de facão no pescoço na madrugada da última quinta-feira (15). De acordo com informações de testemunhas, a jovem casou aos 16 anos e depois de ter um filho, precisou voltar para casa porque a relação não deu certo. No entanto, a partir daí, passou a sofrer investidas do tio, irmão de sua mãe e que morava na casa ao lado, que seria apaixonado por ela

“Ele tinha muito ciúmes dela, era parar alguém falar com ele, dos amigos nossos, ele já ficava em cima, louco. Ele bebia, usava droga”,

conta Diego Faria, ex-namorado de Leidy. 

“Era um ciúmes doentio, ele não gostava que a gente conversasse com ela porque ela era uma menina alegre, que conversava com todo mundo, dava risada, ela brincava, ela vivia a vida dela”, relata um dos colegas.

O tio que matou a sobrinha já havia sido preso por estupro. (Foto: Reprodução)

No dia do crime, Leidy estava conversando com amigos nas proximidades de casa quando foi surpreendida pelo tio e golpeada no pescoço. Mesmo ferida, ela ainda conseguiu correr por alguns metros até cair morta. “Nós estávamos todos na frente da casa dela, quando do nada o tio dela saiu e veio pra cima. Os piá correram e na loucura deixaram ela lá. Nisso, ele pegou, voltou atrás, pegou ela distraída e deu a facada”, completa Diego. 

Segundo o apurado pela RIC Record TV, Adão é um homem perigoso. Com passagens pela polícia por vários crimes, ele chegou a ficar preso por sete anos por um estupro e ameaça

A avó da jovem e mãe de Adão culpa a bebida pela tragédia em família. “Foi bebida, eles ficavam todo dia até a tarde bebendo na rua. A mãe chegava do serviço, a menina saia para a rua beber. Ele tem problema, precisava tomar remédio, mas parou de tomar, diz Tereza Cardoso. Para a idosa, o filho apenas não queria que a sobrinha se envolvesse com a pessoa errada

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.