Segurança

Testemunha afirma que Dr. Jairinho tentou impedir que corpo de Henry fosse para o IML

Na conversa, Jairinho teria solicitado para um alto executivo da área da saúde que o atestado de óbito fosse fornecido pelo próprio hospital

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações do jornal Extra e Metrópoles
Testemunha afirma que Dr. Jairinho tentou impedir que corpo de Henry fosse para o IML
(Foto: Reprodução)

8 de abril de 2021 - 11:02 - Atualizado em 8 de abril de 2021 - 12:29

Após a prisão do vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), na manhã desta quinta-feira (8), a morte do pequeno Henry Borel Medeiros, de 4 anos, começa a ser esclarecida. Jairinho e a esposa, Monique Medeiros, mãe da criança, são suspeitos de atrapalhar as investigações, ameaçar e tentar combinar versões com testemunhas. Jairinho teria, inclusive, tentado impedir que o corpo de Henry fosse encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

De acordo com informações do jornal Extra, conforme o depoimento de um alto executivo da área da saúde para a polícia, na 16ª Delegacia de Polícia, da Barra da Tijuca, Jairinho teria entrado em contato com ele a partir das 4h57 do dia 8 de março. A testemunha pontuou que Jairinho lhe escreveu, por meio de um aplicativo de mensagens: “Amigo, quando puder me liga”; “Amigo, me dê uma ligada”; “Coisa rápida”; e “Preciso de um favor no Barra D’Or”.

O vereador havia chegado ao Hospital Barra D’Or com a mulher, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva, e o filho dela às 3h50. O óbito do menino só foi atestado às 5h42, pela equipe médica.

Na foto, o pequeno Henry, de 4 anos (Foto: Reprodução/ Redes Sociais)

Às 7h17, o executivo retornou. Segundo o advogado, o vereador, “em tom calmo, tranquilo e sem demonstrar nenhuma emoção”, contou que “tinha acontecido uma tragédia” e falou sobre a morte de Henry. Explicando que Monique “estava sofrendo muito”, ele pediu ajuda na “agilização do óbito”.

Na conversa, Jairinho teria solicitado que o atestado de óbito fosse fornecido pelo próprio hospital. O advogado então pediu o nome da criança e, ao checar junto ao Barra D’or, foi informado de que ela chegara “em PCR, previamente hígida, apresentando equimoses pelo corpo” e que teve “óbito sem causa definida”.

Ainda tomou conhecimento, por meio da equipe responsável pelo atendimento, de que Henry era “filho de pais separados e que o pai queria levá-lo ao IML, e que o padrasto é médico e queria o atestado”.

Durante a ligação com profissionais do hospital, o advogado recebeu outras mensagens de Jairinho: “Agiliza ou eu agilizo o óbito? E a gente vira essa página hoje”; “Vê se alguém dá o atestado para a gente levar o corpinho”; “Virar essa página”. O depoente então teria explicado a situação e recebido como resposta: “Tem certeza de que não tem nenhum jeito? Se não tem jeito, vamos fazer o que tiver que ser feito”. Ele afirma ter recebido quatro telefonemas seguidos.

De acordo com o depoimento prestado pelas pediatras que receberam Henry na emergência, o menino já chegou morto à unidade de saúde, com as lesões descritas no laudo de necropsia. Os documentos apontam que o garotinho sofreu hemorragia interna e laceração hepática, provocada por ação contundente, e que o corpo apresentava equimoses, hematomas, edemas e contusões.

Relembre o caso

Henry Borel Medeiros, de 4 anos, morreu no dia 8 de março, ao dar entrada em um hospital da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Segundo o pai do garoto, Leniel Borel, ele e o filho passaram, normalmente, o fim de semana juntos. Por volta das 19h do dia 7, o engenheiro o levou de volta para a casa da mãe do menino, Monique Medeiros da Costa e Silva de Almeida, que mora com o vereador.

De acordo com informações do jornal Metrópoles, ainda segundo o pai de Henry, por volta das 4h30 do dia 8, ele recebeu uma ligação de Monique falando que estava levando o filho para o hospital, porque o menino apresentava dificuldades para respirar.

Leniel afirma que viu os médicos tentando reanimar o pequeno Henry, sem sucesso.

Laudo mostra lesões graves

O laudo de exame de necropsia no corpo de Henry foi o principal ponto de partida para a investigação sobre a morte do menino de 4 anos. Assinado pelo perito Leonardo Huber Tauil do Instituto Médico-Legal (IML), o documento, ao qual o Metrópoles teve acesso, revela que o garoto morreu por hemorragia interna, laceração hepática por ação contundente, como socos e pontapés.

Foram identificadas múltiplas lesões nos rins, pulmões, nas costas e na cabeça. Depois de ouvir 17 testemunhas, a Polícia Civil do Rio de Janeiro conta ainda com uma força-tarefa com peritos que ainda está debruçada em analisar 11 celulares e três computadores, apreendidos no último dia 26, de Monique, Jairinho e do pai de Henry, Leniel Borel. Investigadores tentam recuperar mensagens apagadas dos celulares do casal, que teriam sido apagadas na noite da morte da criança.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.