Segurança

Policial que matou cachorro de rua a tiros irá responder pelo crime de maus-tratos

O animal morreu pouco minutos após ser atingido pelos disparos da arma de fogo; o crime ocorreu em Fazenda Rio Grande

Caroline
Caroline Berticelli / Editora com reportagem de Thaís Travençoli da RIC Record TV
Policial que matou cachorro de rua a tiros irá responder pelo crime de maus-tratos
Foto: Reprodução/RIC Record TV

24 de junho de 2020 - 12:41 - Atualizado em 24 de junho de 2020 - 12:53

Moradores do bairro Eucalipto 2, de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, estão revoltados depois que um policial atirou contra um cachorro e matou o animal na na última segunda-feira (22). A ação foi registrada por uma câmera de segurança. (Assista vídeo abaixo)

O cãozinho que foi assassinado era de rua, mas era alimentado por todos os vizinhos e, inclusive, havia até recebido nome de Pipoco. 

Conforme Wanderlei Martins de Oliveira, que vive na Travessa Gravíola e testemunhou o crime, a ira do policial foi motivada porque ele havia sido mordido pelo cachorro

“Simplesmente ele me chamou, eu vim até o portão, ele subiu a rampa da minha casa e mostrou a perna que tinha sido mordida pelo cachorro. […] Aí, ele pegou e falou ‘Esse cachorro aí me mordeu’, eu falei ‘Olha, esse cachorro é da rua, a vizinhança toda cuida, ele já mordeu, já assustou, mas a gente cuida dele e ele fica por aqui’. E quando eu falei isso, eu abri o portão para poder receber ele e nisso o Pipoco saiu, quando o Pipoco saiu, ele foi até o homem. Não sei se para morder ou para cheirar, mas ele se assustou porque já tinha levado a abordagem do cachorro anteriormente. Então, ele foi para dar um chute no cachorro, não conseguiu, sacou a arma e atirou no cachorro”, conta Wanderlei. 

A testemunha explica que logo na sequência, o homem se identificou como cabo da Polícia Militar e mostrou estar arrependido devido às consequências que o ato impensado poderia trazer. “Eu eu falei que ele não podia ter feito isso e ele falou quem ele era. Que era cabo da Polícia Militar e eu falei ‘piorou’. Quando ele caiu em si, ele falou ‘Eu tô ferrado’”, completa Wanderlei. 

Pipoco e a cadelinha Pipoca, na imagem, eram alimentados pelos moradores da região. (Foto: Thaís Travençoli/RIC Record TV)

Além da morte do cachorro que por si só já é um absurdo, os disparos de arma de fogo assustaram moradores a região. Entre eles, um idoso que também presenciou a cena precisou de atendimento médico, devido ao susto. 

“Eu tenho um neto de dois anos que viu o Pipoco caindo, então, ele só fala ‘Pipoco sangue, caiu, morreu”, conta Wanderlei inconformado com a situação. 

De acordo com o delegado Matheus Laiola, da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, o policial irá responder pelo crime de maus-tratos a animal

“Já oficiamos a Polícia Militar para que apresente o quanto antes esse policial para ele responder pela prática do crime de maus-tratos. Já oficiamos a Prefeitura de Fazenda Rio Grande para que eles apresentem o relatório de atendimento porque eles foram até o local recolher esse animal. […] Nós entendemos, pelo vídeo, que há sim uma conduta totalmente desproporcional que é a prática de maus-tratos”, diz o delegado.

O que diz a PM

Em nota, o 13º Batalhão da Polícia Militar explicou que foi informado sobre o caso e o policial será apresentado na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente para ser ouvido. Além do inquérito da Polícia Civil, um procedimento administrativo também foi instaurado pela PM para investigar o caso. 

Assista ao vídeo:

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.