Segurança

Polícia prende três suspeitos de torturar e atear fogo em jovem que roubou camiseta

Jhon David Antunes Cardoso, de 23 anos, que foi agredido no dia 26 de agosto no bairro Ipê, em São José dos Pinhais

Andrea
Andrea Torrente / Editor com informações de Thais Travençoli, da RIC Record TV Curitiba
Polícia prende três suspeitos de torturar e atear fogo em jovem que roubou camiseta
Prisão dos suspeitos de agredir Jhon (Foto: RIC Record TV)

21 de setembro de 2021 - 10:38 - Atualizado em 21 de setembro de 2021 - 13:03

A Polícia Civil prendeu na manhã desta terça-feira (21) três suspeitos de torturarem e atearam fogo em Jhon David Antunes Cardoso, de 23 anos, que foi agredido no dia 26 de agosto no bairro Ipê, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. O jovem continua internado e corre risco de vida.

Naquele dia, Jhon roubou uma camiseta de uma loja, mas foi flagrado pelo dono do estabelecimento, Eron Sutil, 47, que o perseguiu e conseguiu tomar de volta a roupa. Em seguida, ele começou a agredir a vítima com a ajuda de Marcos Vinícius Fernandes e Muriel Edemilson da Silva, ambos de 20 anos, e Alfredo Pio de Souza, de 21.

A agressão ocorreu na frente da casa da vítima. Os quatro teriam jogado tíner, um solvente para tintas altamente inflamável, sobre o corpo de John e tacado fogo. O jovem teve queimaduras de terceiro grau em 30% do corpo.

Na operação de hoje, a polícia prendeu Eron, Marcos Vinícius e Alfredo. O quarto agressor, Muriel, não foi encontrado e está foragido. Interrogados, os três suspeitos negaram a autoria dos fatos e apresentaram suas versões. Eles estão sendo indiciados por tortura e homicídio qualificado tentado, crimes com penas superiores a 30 anos de prisão.

Em entrevista à RIc Record TV Curitiba, uma familiar relatou que a avó do rapaz estava na rua e viu o neto sendo agredido. Ela chamou mãe de Jhon que apagou as chamas e socorreu o filho.

“Desceu [na rua] uma turma de piás e começaram a espancar o Jhon até adormecer no chão. A mãe do Jhon chegou e apagou todo o fogo dele, tirou as roupas dele, deixou ele nu e começou a socar o peito e as costas para ele acordar. Estava todo queimado e ensanguentado. Aí o menino sentou e cuspiu sangue”

relatou a parente.

A família diz que foi uma agressão brutal e pede justiça. Quando roubou a camiseta, Jhon, que era usuário de tíner, estaria sob efeito da droga.