Segurança

PF cumpre mandados de operação contra fraude em fundos de investimentos do Postalis no Paraná

A Justiça também determinou o bloqueio de bens dos investigados até o limite do valor dos prejuízos, que é de cerca de R$ 16 milhões

Daniela
Daniela Borsuk com informações da Polícia Federal
PF cumpre mandados de operação contra fraude em fundos de investimentos do Postalis no Paraná
(Foto: Polícia Federal)

17 de setembro de 2021 - 11:45 - Atualizado em 17 de setembro de 2021 - 11:45

A Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão no Paraná, São Paulo e Brasília nesta sexta-feira (17), durante a operação Amigo Germânico. A ação investiga crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa, crimes contra o sistema financeiro nacional e corrupção cometidos contra o Postalis – Instituto de Previdência Complementar, fundo de pensão dos Correios Ao todo, 19 mandados expedidos pela Justiça Federal estão sendo cumpridos.

A Justiça também determinou o bloqueio de bens dos investigados até o limite do valor dos prejuízos, que é de cerca de R$ 16 milhões até o momento.

As investigações, em parceria com o Ministério Público Federal, apontam que foram criados quatro Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios Não Padronizados – FIDC NP e, em seguida, diversos ativos do Postalis foram reprecificados em valor diferente de zero, quando deveriam ter sido reavaliados a valor zero. A referida operação, cujos prejuízos foram previamente admitidos pelos alvos investigados, implicou no agravamento da situação já deficitária da entidade.

Os alvos respaldaram seus atos em pareceres jurídicos elaborados por pessoas que possuíam interesse direto na indicação das empresas que, posteriormente, seriam escolhidas como gestora e administradora dos recursos dos FIDC NP.

Apurou-se ainda que as empresas indicadas para administrar os Fundos de Investimento direcionavam taxas de rebate (comissão) para serem divididos entre os responsáveis pela indicação das empresas que, por sinal, também atuavam no aconselhamento técnico-jurídico do Postalis. Além disso, por meio de transações dissimuladas, também foram direcionadas vantagens indevidas a gestores da entidade de previdência complementar dos Correios.

Os envolvidos poderão responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e corrupção passiva e ativa com penas que, se somadas, podem chegar a 42 anos de reclusão.

O RIC Mais tentou solicitar, junto à Polícia Federal de Brasília, responsável pela operação, em quais cidades do Paraná os mandados foram cumpridos, mas não conseguiu contato até a publicação desta matéria.