Segurança

MPPR oferece denuncia contra motorista que atropelou motoboy no Rebouças

Justiça agora irá analisar a argumentação do MPPR, para ver se aceita a denúncia contra a motorista. A partir deste ato jurídico, inicia-se a ação penal.

Giselle
Giselle Ulbrich com informações do MPPR
MPPR oferece denuncia contra motorista que atropelou motoboy no Rebouças
(Foto: Reprodução/ RIC Record TV)

9 de julho de 2021 - 18:29 - Atualizado em 9 de julho de 2021 - 18:32

O Ministério Público do Paraná (MPPR) ofereceu denúncia criminal contra Cassiane Aparecida Araújo, 25 anos. Bêbada e dirigindo em alta velocidade, ela atropelou um motociclista em Curitiba na noite do dia 12 de junho deste ano. O acidente foi na esquina da Rua Nunes Machado com a Avenida Sete de Setembro, no bairro Rebouças. Ela foi denunciada por tentativa de homicídio com dolo eventual.

O MPPR sustenta que a motorista teria “assumido o risco de produzir resultado de morte” quando decidiu dirigir após ingerir bebida alcoólica e trafegar em velocidade incompatível com a permitida para o trânsito da via. Em ato de imprudência, ela ainda passou reto numa esquina fechada para o trânsito no fluxo que ela seguia. Tanto que atravessou uma via expressa passando por cima de calçadas, até que atingiu o motoboy.

O impacto da batida provocou mais de 10 fraturas graves no condutor da motocicleta, o motoboy Mozart Martins, de 32 anos. Ele ficou 10 dias internado no hospital, até ter alta. Após a batida, a mulher evadiu-se do local, não prestando socorro à vítima, demonstrando, assim, “absoluta indiferença com as consequências de sua conduta”, diz o embasamento do MPPR.

Foragida

Cassiane ficou quase uma semana foragida, até que se apresentou à polícia após a Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) divulgar cartazes com a foto dela, como sendo “procurada”. Na delegacia, Cassiane não se pronunciou sobre o acidente e preferiu o silêncio no depoimento.

A motorista foi presa e, uma semana depois, a Justiça arbitrou fiança de 40 salários mínimos para que ela saísse da cadeia (quase R$ 50 mil). Mas como Cassiane não tinha o dinheiro, a Justiça aceitou a contestação dos advogados e entregou o próprio carro envolvido no acidente como garantia da sua soltura.

Conforme a denúncia, ajuizada por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Crimes Dolosos contra a Vida, o motociclista somente sobreviveu graças ao pronto e eficiente atendimento médico recebido logo após o fato. O processo tramita na 2ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba.

O que diz a defesa

Os advogados de Cassiane, Thaise Mattar Assad, Jean Paulo Pereira e Florentino Rocha Conde, emitiram nota sobre a denúncia. Leia na íntegra:

“A defesa de Cassiane Aparecida Araújo Aires informa que o oferecimento da denúncia é consequência natural da marcha processual e que a ausência do dolo eventual será debatida no curso do processo.”

Reveja o acidente:

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.