Segurança

Motorista que atropelou motoboy em Curitiba fica em silêncio durante depoimento

Testemunhas afirmam que a condutora estava embriagada quando perdeu o controle do veículo e atingiu o motociclista em cheio; ela fugiu sem prestar socorro à vítima

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações de Tiago Silva, da RIC Record TV Curitiba
Motorista que atropelou motoboy em Curitiba fica em silêncio durante depoimento
A motorista foi filmada bebendo em um bar antes da colisão. (Foto: Reprodução/Grupo RIC)

18 de junho de 2021 - 12:51 - Atualizado em 18 de junho de 2021 - 12:53

A motorista Cassiane Aparecida Aires, de 32 anos, presa preventivamente por atropelar o motoboy Mozart Pavoni Martins Junior, de 32 anos, na Avenida Sete de Setembro, em Curitiba, preferiu manter silêncio durante seu depoimento prestado nesta sexta-feira (18), na Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran). 

“A gente acabou não tendo uma conversa porque ela optou pelo seu direito constitucional de ficar em silêncio. Então, isso é outra coisa que a gente não vai poder saber, infelizmente, se houve um arrependimento, se ela tem alguma explicação para essa grave conduta que ela praticou, mas é a estratégia adotada pela defesa e a gente espera que, pelo menos, em juízo, ela dê a sua versão dos fatos e possa esclarecer para a população, principalmente, para os familiares da vítima, o que foi que aconteceu naquele dia”,  

explica o delegado Leonardo Carneiro, responsável pelo caso.

Na quarta-feira (16), a pedido do delegado a Justiça emitiu um mandado de prisão preventiva contra Cassiane por tentativa de homicídio. Ela chegou a ser considerada foragida por cerca de 24h e foi detida na quinta-feira (17), após se apresentar na delegacia, junto com seus advogados. O carro que ela dirigia no momento do acidente também foi entregue à polícia para que possa ser periciado. 

A ex-bancária está presa na carceragem feminina do 5º Distrito. Ainda nesta sexta, ela deve ser transferida para o Presídio Feminino de Rio Branco do Sul, na região metropolitana da capital.  

Os advogados que defendem a motorista entraram, na quinta-feira, com um pedido de substituição da prisão preventiva por “medidas menos gravosas”. Como justificativa, os defensores ressaltam que Cassiane nunca cometeu nenhum crime, possui curso superior e residência fixa em Colombo, também na Grande Curitiba. 

O acidente

acidente foi registrado no bairro Rebouças, em Curitiba. Na ocasião, o veículo conduzido por Cassiane seguia pela Rua Nunes Machado quando cruzou a canaleta exclusiva para ônibus, passou por cima da calçada e acertou o motoboy que seguia pela Avenida Sete de Setembro. El fugiu do local sem prestar socorro à vítima.

motociclista sofreu mais de 10 fraturas pelo corpo, entre elas: quebrou o pé esquerdo, o fêmur em três lugares, o cotovelo em duas partes, quebrou as duas clavículas, a escápula esquerda, osso externo do peito e ainda teve duas fraturas na coluna cervical. Ele permanece internado no Hospital Cajuru, foi submetido a algumas cirurgias, mas há expectativa para alta hospitalar.

Investigação

Diversas testemunhas já foram ouvidas pelo delegado, entre elas, as duas passageiras que estavam no carro com Cassiane no momento da colisão, dois homem que estavam com as amigas pouco tempo antes em um bar e uma pessoa que presenciou o acidente da sacada de seu apartamento.

“Foi ouvido ontem uma outra testemunha que nos relatou que ele estava fumando na sacada de seu apartamento, quando conseguiu visualizar o acidente. Ele percebeu que ela veio em alta velocidade, atravessou a canaleta expressa do ônibus e deu uma informação fundamental para o nosso procedimento: o fato que ele relatou que após essa colisão, ele ouviu o barulho de giro do veículo aumentar, demonstrando realmente a intenção dela de fugir do local o mais rápido possível”, 

conta Carneiro.

Já as mulheres afirmaram que beberam, que junto com a motorista, quatro garrafas de vinho no bar e que elas estavam dormindo no carro, acordando apenas no momento da colisão. Ainda segundo o relato, cerca de quatro quadras depois do acidente, já na Avenida Iguaçu, Casssiane parou o carro e desmaiou ao volante.

Já os dois homem contaram à polícia que conheceram as três mulheres no bar e, na sequência, pegaram carona até o local onde haviam estacionado o carro. No entanto, após Cassiane entrar na contramão em uma rua digerir em alta velocidade, pediram que ela deixasse o veículo e fosse para casa com um carro de aplicativo devido ao seu estado de embriaguez. Segundo eles, o pedido foi interpretado como uma grosseria, houve um desentendimento e os dois acabaram descendo antes de chegarem no destino.

Câmeras de segurança divulgadas com exclusividade pelo programa Balanço Geral, da RIC Record TV Curitiba, mostram a motorista bebendo no estabelecimento e, na sequência, saindo na direção do veículo. Nas imagens, é possível perceber que Cassiane teve dificuldade de arrancar com o carro e saiu do estacionamento de forma brusca.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.