Segurança

Membros de associação criminosa são presos por roubo milionário em empresa de pneus de Curitiba

A organização criminosa possui ramificações atuantes no Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso, de acordo com as investigações

Daniela
Daniela Borsuk com Polícia Civil do Paraná
Membros de associação criminosa são presos por roubo milionário em empresa de pneus de Curitiba
(Foto: Polícia Civil do Paraná)

24 de março de 2021 - 14:00 - Atualizado em 24 de março de 2021 - 14:00

Seis pessoas foram presas nesta quarta-feira (24) suspeitas de envolvimento em um roubo milionário em uma loja de pneus de Curitiba, com prejuízo avaliado em cerca de R$ 1,2 milhões para a empresa. Um dos suspeitos não foi localizado durante a operação da Polícia Civil do Paraná e segue foragido. A ação contou com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

De acordo com a Polícia Civil, os mandados foram cumpridos em Curitiba e Região Metropolitana, além dos estados de Minas Gerais, Mato Grosso e São Paulo. Cinco dos suspeitos tinham mandado de prisão pelo roubo, dois deles também foram autuados em flagrante por tráfico de drogas.  

Os policiais civis também cumpriram 17 mandados de busca e prenderam um homem em flagrante em posse ilegal de munição de uso permitido.  

Além disso, apreenderam R$ 41 mil, duas espingardas de calibre permitido, 14 munições de calibre permitido, 538 gramas de maconha, uma balança de precisão, três rádios comunicadores, dois caminhões e três carretas.  

Crime

O roubo ocorreu na madrugada do dia 3 de maio de 2020, em uma empresa de pneus, no bairro Cidade Industrial de Curitiba. Na ocasião, os suspeitos fortemente armados invadiram o local e fizeram três reféns. Cerca de 15 homens participaram do roubo e levaram mais de 800 pneus e aparelhos celulares das vítimas. A empresa estima um prejuízo de R$ 1,2 milhões.  

Ao serem ouvidas, as vítimas contaram que os suspeitos utilizaram três caminhões grandes, um caminhão baú e uma caminhonete SUV para levar os pneus. Além disso, os homens obrigaram e ameaçaram, para que as vítimas ajudassem no roubo.   

Investigação

A PCPR fez oitivas, analisou imagens próximas ao local e realizou diversas diligências para identificar envolvidos no crime. Foi solicitado também apoio à PRF para identificar os caminhões utilizados no roubo.   

Ainda na investigação, a PCPR descobriu que se trata de uma associação criminosa composta por diversos suspeitos com funções pré-definidas, desde os atos de preparação, de execução e de consumação após a prática dos crimes em apuração. Além disso, a organização possui ramificações atuantes no Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso.