Segurança

Médica Virgínia, acusada de antecipar mortes na UTI do Evangélico, vai a júri popular

A votação desta tarde entre os desembargadores foi de 2 x 1, a favor de que a médica responda no banco dos réus pelas mortes no Hospital Evangélico.

Giselle
Giselle Ulbrich
Médica Virgínia, acusada de antecipar mortes na UTI do Evangélico, vai a júri popular
(FOTO: REPRODUÇÃO/RICTV PR)

27 de maio de 2021 - 19:18 - Atualizado em 27 de maio de 2021 - 19:39

A médica Virginia Helena Soares de Souza, acusada de “antecipar” a morte de pacientes na UTI do Hospital Evangélico, em 2012, para liberar vagas na no internamento, vai a júri popular. Por causa das mortes, ela responde pelo homicídio qualificado.

A decisão de mandá-la a júri popular foi do Tribunal de Justiça, em sessão da 1.ª Câmara Criminal. Foram dois votos a favor de mandá-la ao Tribunal do Júri, contra um favorável à médica. Apesar da decisão, os desembargadores voltam a se reunir no próximo dia 10 de junho, para decidir se ela responderá por homicídio simples ou qualificado.

Depois de toda a investigação e decorrer da ação penal, em 2019 o juiz Daniel Surdi Avellar, da 2.ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, impronunciou a ré, ou seja, a inocentou pelas mortes na UTI. No entanto, o Ministério Público do Paraná recorreu da decisão e conseguiu reverter essa decisão nesta quinta-feira (27).

A defesa da médica Virgínia informou que irá recorrer da decisão. “A defesa sempre confiou na Justiça e em todas as provas periciais e testemunhais do processo que indicaram inexistência de fato criminoso e irá recorrer em todas as instâncias. A médica é inocente e em toda a sua carreira tomou decisões baseadas em literatura.”, diz a nota oficial dos advogados de defesa da médica, Elias Mattar Assad e Louise Mattar Assad.

Virgínia era chefe da UTI do Hospital Evangélico. A primeira morte atribuída a médica, segundo a denúncia, ocorreu em 2006. E teriam sido várias até 2012. Porém o caso só veio à tona no ano seguinte, com a denúncia de que ela tinha provocado sete mortes para “desentulhar a UTI”.

Não é só Virgínia que irá a júri. Ela e mais quatro funcionários da UTI também sentarão no banco dos réus.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.