Segurança

Líder do PCC que matou e desenterrou rival é condenado a 43 anos de prisão

Crime aconteceu em 2018 e júri popular foi realizado nesta semana

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Líder do PCC que matou e desenterrou rival é condenado a 43 anos de prisão
(FOTO: POLÍCIA CIVIL)

24 de setembro de 2020 - 12:13 - Atualizado em 24 de setembro de 2020 - 12:13

O homem apontado como líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) no Paraná, Célio Afonso da Silva, foi condenado nesta semana a 43 anos de prisão. O júri popular foi realizado em Curitiba e o réu foi julgado pelo crime de duplo homicídio e uma tentativa de homicídio, realizados em 2018 no bairro Pilarzinho.

Além dos crimes, a investigação da polícia apontou como prova de poder, que Célio retirou o corpo do rival, após o enterro no cemitério do Boqueirão. 

Líder do PCC condenado

Célio Afonso sentou no banco dos réus pela morte de Mizael Teodoro da Luz, de 36 anos, e Josiel Bruno Oliveira. No crime cometido no dia 3 de março de 2018, uma outra mulher também foi baleada por um fuzil AK47, porém, sobreviveu.

Segundo investigação, as mortes teriam sido motivadas por uma briga de comando de tráfico de drogas na região. Na época, Mizael era um dos líderes e contava com passagens por homicídio e roubos.

Célio, também conhecido por Coelho, foi reconhecido na época por testemunhas como o autor do duplo homicídio. Ainda segundo informações, um mês antes do crime, Mizael teria denunciado a participação de Célio em um assalto a carro-forte, em Palmeira, onde três inocentes morreram.

Poucos dias após o sepultamento de Mizael, o corpo do homem foi encontrado nu, fora do túmulo, por funcionários do cemitério.