Segurança

Júri popular condena homem acusado de usar cinto para asfixiar ex-esposa, em Londrina

O caso é de setembro de 2019 e ele deve cumprir mais de 14 anos de prisão; no momento do ataque, pessoas que passavam na rua conseguiram segurar João Aparecido Miranda

Bruna
Bruna Melo / Repórter com informações de Rafael Machado, da RIC Record TV Londrina
Júri popular condena homem acusado de usar cinto para asfixiar ex-esposa, em Londrina
O ataque deixou marcas no pescoço da vítima. Foto: Reprodução

7 de julho de 2021 - 12:02 - Atualizado em 7 de julho de 2021 - 12:02

João Aparecido Miranda foi condenado, em júri popular, a 14 anos e 8 meses de prisão por tentativa de feminicídio, nesta terça-feira (6). Em setembro de 2019, ele teria usado um cinto para asfixiar sua ex-esposa, Ednéia Francisca de Paula. Os dois foram casados por 25 anos e têm, juntos, uma filha.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Paraná (MPPR), João não aceitava o fim do relacionamento. Ele teria atacado Ednéia na rua Jorge Velho, centro de Londrina, enquanto ela ia até um ponto de ônibus para voltar do trabalho.

Populares conseguiram segurar João ao ver ele estrangulando a mulher com o cinto. Ela ficou com marcas no pescoço. Em depoimento, o homem negou que a intenção dele era de sufocar a vítima.

O acusado também deve cumprir 4 meses e 23 dias de detenção por constrangimento ilegal, por ter forçado a vítima a sair de casa.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.