Segurança

Jovem preso por assalto que não cometeu sai da cadeia na Grande Curitiba

O rapaz ficou detido por 27 dias, depois que a vítima do crime o apontou como culpado

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Jovem preso por assalto que não cometeu sai da cadeia na Grande Curitiba
Foto: Reprodução/Grupo RIC

9 de julho de 2021 - 14:11 - Atualizado em 9 de julho de 2021 - 14:17

Depois de permanecer quase um mês preso por um crime que não cometeu, Regeraldo Francisco Weber Carneiro, de 25 anos, foi solto na noite de quinta-feira (8). O jovem estava detido desde o dia 12 de junho na Casa de Custódia em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba..

Regeraldo foi preso em flagrante pelo roubo de um carro, encontrado estacionado ao lado de sua residência no bairro Campo de Santana, em Curitiba, após a proprietária do veículo apontá-lo como o responsável pelo assalto. No entanto, mesmo com imagens de câmeras de segurança e conversas entre ele e a esposa que comprovaram a impossibilidade de sua participação no crime, os advogados que defendem o rapaz passaram 27 dias sem conseguirem sua soltura devido ao testemunho da mulher.

Emocionado, o entregador do Centro de Abastecimento do Paraná (CEASA) que perdeu o emprego após ser preso conta como foi surpreendido pela acusação logo depois de chegar ao trabalho. “Eu estava dentro de casa, até então a janela fechada, chegou a viatura lá na frente, eu olhando normal. De repente veio um pessoal e eu só escutei a mulher gritando: ‘Foi ele, foi ele’. Eu fui atender os policiais e eles falaram: ‘A mulher está falando que você roubou ela’.  Eu falei: ‘Como assim?’ e eles já foram me levando para dentro e perguntaram se eu tinha alguma coisa ilícita como arma. Eu falei que não e disse que não tinha sido eu. O policial foi lá e falou com a mulher, mas ela continuou dizendo que fui eu. Aí ele disse: ‘Nós vamos ter que te levar’”, lembrou Regeraldo. 

Ainda conforme o relato do rapaz, ele não conhecia a proprietária do veículo roubado, mas quando entrou na viatura, a mulher lhe disse ofensas e ainda tentou agredi-lo.

“Eu estava sem defesa alguma. Naquele momento era a palavra dela contra a minha  e os policiais tudo em cima. Foi difícil. Na prisão, os dias foram passando e eu estava tentando me conformar com uma coisa que eu não fiz. Afetou muito o meu psicológico, desde quando eu entrei lá foi difícil dividir aquela cela com bastante gente. Eu estou meio nervoso ainda, foi ontem que saí. É muito difícil passar por um lugar daqueles sem dever nada”,

declarou Regeraldo à RIC Record TV. 

Para um dos defensores do jovem preso injustamente, a vítima do assalto acusou Regeraldo na ânsia de achar um culpado. “A questão do reconhecimento foi simplesmente pelo fato de terem encontrado o veículo ao lado da casa do Regeraldo e a vítima ver ele dentro da residência e começar acusá-lo do roubo. Os elementos colhidos durante a audiência de instrução demonstraram que Regeraldo não foi o autor do roubo e que a vítima desde o início estava mentindo. Mentido porque queria achar um culpado a qualquer custo”, disse Ryan Antunes de Sá.

Ainda segundo o advogado, a defesa vai avaliar a possibilidade de entrar com uma ação por denunciação caluniosa contra a proprietária do veículo e contra o estado por falta de zelo ao prender um cidadão.

“Não é justo um rapaz inocente, trabalhador ficar preso 20 dias preso sem qualquer prova. Mas o mais importante, o que a gente queria, era colocar esse rapaz em liberdade, foi uma realização profissional”,

completou o advogado. 

O roubo do carro

O Chevrolet Corsa foi roubado, durante um assalto a mão armada, a cerca de 3 Km de distância da residência de Regeraldo. Pouco tempo depois, o criminoso estacionou o veículo na rua da casa de Regeraldo.

Ainda no mesmo dia, o carro foi localizado pela polícia e Regeraldo preso em flagrante. No entanto, câmeras de segurança, instaladas em uma residência vizinha, mostram que ele já estava na residência quando o veículo foi abandonado na calçada.

Câmeras de segurança

Nas imagens, é possível ver que Regeraldo chega em casa de bicicleta às 17h42 e o boletim de ocorrência aponta que o assalto foi cometido às 17h45, ou seja, conforme ele, não há como percorrer uma distância de 3 Km de bicicleta em 3 minutos. 

Na sequência, às 17h55, o assaltante chega e estaciona o carro roubado,ao mesmo tempo em que um segundo veículo para do outro lado da rua e deixa uma mulher e uma criança, que entram na casa em frente a de Regeraldo. Por fim, o criminoso entra no carro que trazia os passageiros e vai embora. 

Mais tarde, às 19h, Regeraldo é filmado quando sai para ir até uma mercearia e retorno às 19h03. 

Assista:

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.