Segurança

Homens que se passavam por policiais para cometerem crimes são presos em Curitiba

Os falsos policiais civis são suspeitos pelos crimes de furto, roubo e extorsão; eles agiam junto com policiais militares

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Homens que se passavam por policiais para cometerem crimes são presos em Curitiba
Foto: Reprodução/Grupo RIC

24 de junho de 2021 - 16:32 - Atualizado em 24 de junho de 2021 - 16:32

Quatro homens que se passavam por policiais civis para cometerem crimes em Curitiba e região metropolitana foram presos, nesta quinta-feira (24), durante uma operação da Delegacia de Furtos e Roubos. 

De acordo com o delegado Thiago Dantas, responsável pelo caso, a investigação começou como um inquérito policial militar, quando houve a suspeita de que PMs estariam envolvidos em crimes de extorsão. A partir daí, foi descoberto a participação dos quatro suspeitos presos nesta quinta. 

“Uma guarnição da Polícia Militar estava em uma determinada localidade e os indivíduos chegavam num carro particular e ali praticavam furtos, roubos e o alvo deles era, no sentido também, de extorquir eventuais pessoas que praticam contrabando de cigarro. Extorquiam o comerciante, tomavam o dinheiro para ele não ser preso e aí partilhavam o dinheiro com os policiais militares”, explica Dantas.

O delegado ressaltou que a investigação sobre a conduta dos policiais militares ficou a cargo da Polícia Militar do Paraná e não da Polícia Civil, por isso, apenas os falsos policiais foram detidos na operação conduzida por ele.

Durante a apuração, foi descoberto que os suspeitos usavam o ‘disfarce’ para cometerem vários tipos de crimes e ostentavam a profissão falsa nas redes sociais. “Os indivíduos, alvos da operação, se intitulavam como policiais civis praticando extorsões, praticando furtos e praticando roubos aqui em Curitiba e na região metropolitana. […] Conseguimos prender os quatro indivíduos que de fato se passavam por policiais civis, inclusive, em redes sociais, usando distintivo, insígnia, arma de fogo em fotos, conta o delegado. 

Dantas ressalta que a investigação continua para identificar o papel de cada suspeito nos crimes e até mesmo a atuação de outros envolvidos ainda não descobertos.  

Além disso, existe a possibilidade dos falsos policiais também responderem pelos crimes de associação criminosa ou organização criminosa. O que pode acarretar em mais anos de condenação. 

O que diz a PM

O RIC Mais solicitou um posicionamento da PM sobre os policiais militares envolvidos com o caso, mas até a publicação dessa reportagem não obteve retorno.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.