Segurança

Homem foragido por estuprar crianças volta para aterrorizar as vítimas

Entre as vítimas de Nilson Muniz estão as enteadas, a afilhada e própria filha, a quem ele ofereceu até um carro para retirar a queixa do estupro na polícia

Mônica
Mônica Ferreira / Estagiária Com informações do Repórter Willian Bittar, da RIC Record TV Curitiba e supervisão de Giselle Ulbrich
Homem foragido por estuprar crianças volta para aterrorizar as vítimas
(Imagem: Reprodução/Balanço Geral)

20 de setembro de 2021 - 17:52 - Atualizado em 20 de setembro de 2021 - 17:52

A Polícia Civil está à procura de Nilson Muniz, acusado de estuprar pelo menos cinco crianças em Curitiba. Entre elas, a própria filha e as enteadas. Ele chegou a ser condenado a 80 anos de prisão pelos crimes e fugiu para não ser preso. Mas voltou à capital nas últimas semanas e está aterrorizando suas vítimas, ameaçando e dizendo: “estou de volta, fique esperta”.

A condenação de Nilson por estupro de vulnerável aconteceu em maio do ano passado. Até então, ele podia recorrer em liberdade. Logo após a decisão, o homem ainda procurou a filha, uma das vítimas, para pedir que ela retirasse a denúncia, depois fugiu. Mas ele voltou a Curitiba recentemente e apareceu para uma das crianças que denunciou o abuso.

Segundo investigações da Polícia Civil, Nilson fugiu para São Paulo, Mato Grosso, Paraguai e Rio Grande do Sul, antes de voltar a Curitiba.

Vítimas

Nilson Muniz fez várias vítimas, uma dela foi sua própria filha.

“Começou muito pequena, eu lembro que ele colocava filmes, vídeos e trazia minhas amigas pra virem também, ele sempre teve influência e contato com crianças e adolescentes. É muito difícil até hoje, tem vezes que eu fico em depressão, não consigo trabalhar direito, por isso eu tomei a decisão de denunciar ele”,

relata a filha de Nilson Muniz.

A equipe do Balanço Geral foi até o bairro Cajuru, em Curitiba, onde Nilson morou por um tempo. Na época ele tinha um companheira com três filhas, todas foram vítimas dele.

Ele ameaçava todas as três para não falarem para mim, porque se falassem ele ia fazer mal pra minha menorzinha que ele também abusava. Só que chegou um ponto que elas não suportaram mais e comentaram na escola. A escola acionou o Conselho Tutelar. Foi quando eu descobri tudo e levei o processo para frente, denunciei e fiz os exames”,

diz a ex-companheira do foragido.

Recentemente Nilson reapareceu e a mulher teve que mudar o horário de trabalho para proteger as filhas que vivem com medo constante.

A mãe de uma das crianças que sofreram com o abuso contou ao Balanço Geral o que aconteceu. “Ela foi passar um final de semana com o padrinho como de costume, ele deu um remédio para ela no qual ela dormiu e quando ela acordou, sentiu que as calças estavam abaixadas para baixo do joelho. Então ela questionou e ele disse que era sonho dela”.

A filha do homem contou que depois das audiências ele apareceu oferecendo um carro para que ela retirasse a denúncia.

“Espero que ele seja preso pra nenhum ser humano, que nenhuma outra criança sinta essa dor que eu sinto”,

afirma.

Você sabe onde está o Nilson Muniz? Denuncie pelos telefones 190 (Polícia Militar), ou 197 (Polícia civil), ou 181 (Disk Denúncia), ou 0800 643 1121 (este é específico da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, mas pode ajudar a encaminhar a denúncia). O mais indicado ainda é o telefone 190.