Segurança

Funcionária estuprada dentro de loja deixa recado para suspeito: “ele vai ter o que merece”

Câmeras de segurança flagraram o homem rondando o estabelecimento antes do crime. As imagens conseguiram flagrar com clareza o rosto do suspeito, que ainda não foi identificado

Daniela
Daniela Borsuk com informações do repórter Marcelo Borges, da RIC Record TV Curitiba
Funcionária estuprada dentro de loja deixa recado para suspeito: “ele vai ter o que merece”
(Foto: Reprodução/ RIC Record TV Curitiba)

12 de julho de 2021 - 14:06 - Atualizado em 12 de julho de 2021 - 14:06

A funcionária que foi estuprada dentro de uma loja por um homem na sexta-feira (9), conversou com a equipe da RIC Record TV Curitiba e narrou os momentos de desespero que viveu. Ameaçada de morte e com uma arma apontada para a cabeça, a jovem de 18 anos foi abusada sexualmente em plena luz do dia, em um estabelecimento comercial na Rua Prudente de Moraes, no Centro de Curitiba.

Na reportagem que foi ao ar nesta segunda-feira (12), a jovem contou que estava trabalhando normalmente quando um homem entrou na loja. Ele estava bem vestido e, a princípio, pediu informações e fingiu estar interessado nos itens do comércio.

“Entrou um homem e me perguntou se eu sabia que horas a moça da academia de Pilates chegava. Eu falei que não sabia, daí neste momento ele começou a me encarar e eu fiquei sem reação, eu falei ‘moço, eu não sei o horário de funcionamento deles’, daí ele falou ‘ah, então tá’. Daí ele começou a perguntar de outros produtos, perguntou de uma boina específica, falou que era para a irmã dele que ele estava vendo, daí ele começou a analisar a loja. Ele estava bem vestido, eu não senti nada, não desconfiei de nada”, disse a vítima.

O homem ficou mais um tempo no local, depois saiu da loja. A jovem voltou a organizar os itens e foi surpreendida cerca de cinco minutos depois, quando o suspeito voltou a entrar no estabelecimento, desta vez armado. “Não deu nem cinco minutos, ele já estava dentro da loja, vindo na minha direção bem rápido, com uma arma na minha cabeça, me pedindo a carteira”, relatou. A mulher estranhou a forma como o homem anunciava o assalto, mas não reagiu e começou a entregar o dinheiro.

“Aí eu abri o caixa, dei o dinheiro para ele, aí ele falou assim ‘agora você vem comigo lá para o fundo’ e lá ele falou para eu encostar na parede. Eu falei ‘moço, pelo amor de Deus, não faz isso’, ele falou ‘não, eu só quero passar a mão em você, não vou fazer nada’”.

descreveu a jovem, abalada.

No momento em que estava sendo estuprada, a jovem afirmou que ouviu barulho na parte da frente da loja e disse para o suspeito que alguém devia ter entrado no estabelecimento. Em vez de parar com a violência sexual, no entanto, o homem atendeu a cliente e voltou a cometer o abuso.

“Ele mandou eu sentar na cadeira que tinha lá e falou ‘fica aí, senão eu te mato’. Ele saiu do lugar em que a gente estava, ele se vestiu né, foi lá e atendeu a cliente. Tudo com um sorriso no rosto, de um jeito de dizer, porque ele estava de máscara o tempo todo. Chegou lá e falou ‘oi, a moça que trabalha aqui só volta daqui uma hora e meia’, aí a mulher falou ‘mas eu posso dar uma olhada?’, e ele falou ‘ah, é complicado, porque eu não sei te ajudar, não sei nada, só tô cuidando para ela’”.

afirmou a vítima.

A vítima relatou que o suspeito deixou a cliente olhando os itens e voltou para os fundos para continuar o estupro. Na esperança de conseguir a ajuda da mulher que estava no estabelecimento, a jovem contou que passou a chorar mais alto para ser ouvida, mas que logo percebeu que a cliente havia ido embora.

Depois do crime, o homem trancou a jovem nos fundos da loja e foi embora, calmamente. “Eu falei ‘moço, pelo amor de Deus, não me tranca’, eu estava com medo e não queria ficar lá, sozinha, trancada, ele falou ‘calma, eu não vou fazer mais nada com você, o que eu queria fazer eu já fiz’“, disse a vítima. O suspeito saiu levando o celular da jovem, cerca de R$ 50 em dinheiro e as chaves da loja. O celular e as chaves foram localizados na rua, nas proximidades, o que leva a polícia a acreditar que o objetivo do suspeito era o crime sexual e não um assalto.

“A impressão que nós temos é que ele aguardou o momento em que ela ficou sozinha para entrar, simular um crime de roubo porque ele pediu a carteira dela. No entanto, ele acabou não levando essa carteira dela, e logo em seguida a encaminhou para o fundo da loja onde acabou cometendo a violência sexual. Posteriormente, na saída, ele acabou levando R$ 50 que estava no caixa da loja, junto com outros valores, mas ele pegou apenas R$ 50, pegou o molho de chaves e o celular dela. O celular e o molho de chaves da loja foram localizados. Ele largou na rua. Agora, tinham outros objetos de valor como um notebook que ele não levou. Com isso, a gente tem a impressão que o objetivo inicial dele seria mesmo cometer a violência sexual”, disse a delegada responsável pelo caso, Vanessa Alice, da Delegacia da Mulher.

Abalada, a jovem deixou ainda um recado para o suspeito de estupro: “Se ele tiver vendo isso, eu quero falar para ele que ele não estragou a minha vida, ele estragou a vida dele, porque quem me sustenta não dorme. Ele vai ter o que ele merece. Eu quero perguntar para ele se valeu a pena ele ter cinco minutos de prazer com alguém que estava com nojo, com repulsa dele, quero saber se valeu a pena ele destruir a vida dele por causa disso”, finalizou a jovem.

Denúncias

Câmeras de segurança flagraram o homem rondando o estabelecimento antes do crime. As imagens conseguiram flagrar com clareza o rosto do suspeito, que ainda não foi identificado. Por isso, a Polícia Civil faz um apelo para que quem souber alguma informação do homem, faça uma denúncia.

(Foto: Divulgação/ Polícia Civil)

Qualquer informação que possa ajudar na identificação do suspeito pode ser repassada, de forma anônima, à Delegacia da Mulher pelo telefone 41.3219-8600, à Delegacia de Furtos e Roubos pelo telefone 41. 3218-6100 ou ao Disque Denúncia da Polícia Civil pelo 181.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.