Segurança

Família pode ter que aguardar 3 meses para enterrar jovem encontrado morto carbonizado em saco plástico

Conforme a família, Jeyson foi visto pela última vez no dia anterior, um sábado, quando saiu da casa onde morava, no bairro Uberaba, em Curitiba, para ir até uma festa

Daniela
Daniela Borsuk com informações de Thais Travençoli, da RIC Record TV
Família pode ter que aguardar 3 meses para enterrar jovem encontrado morto carbonizado em saco plástico
(Foto: Redes Sociais)

14 de setembro de 2021 - 13:46 - Atualizado em 14 de setembro de 2021 - 13:46

A família de Jeyson Endrig Florencio de Lima, de 28 anos, acredita que um corpo encontrado no dia 29 de agosto deste ano, com marcas de facadas, queimado e enrolado em um saco plástico, seja do jovem. No entanto, mesmo após 15 dias da localização do corpo, os parentes ainda aguardam a liberação do Instituto Médico Legal (IML) para poder realizar o sepultamento e uma despedida.

Os familiares questionam sobre a demora para a liberação, que pode se arrastar ainda mais: o exame de DNA feito no corpo da vítima tem um prazo de 90 dias para ficar pronto.

“Tem que ficar esperando, a gente fica aqui de mãos atadas, sem poder fazer nada, mas tem que esperar. É muito tempo, imagina um corpo esperando para ser enterrado todo este tempo”.

se indignou um familiar.

Ainda, os parentes pedem Justiça já que, até o momento, os suspeitos de cometerem o crime ainda não foram identificados pela polícia.

“É muita crueldade. Primeiro levou facada, corpo amarrado, colocado dentro de um saco, aí botaram fogo. A imagem que eu vi, na delegacia, ele sendo arrastado no meio do asfalto, que nem um animal, estava jogado em uma valeta. Para gente não é fácil lidar, é complicado”.

disse um familiar.

Conforme a família, Jeyson foi visto pela última vez no dia anterior, um sábado, quando saiu da casa onde morava, no bairro Uberaba, em Curitiba, para ir até uma festa. Durante o evento, o jovem e um amigo entraram em um carro que parou na frente do local. No trajeto, as informações de colegas dos jovens são de que o amigo foi obrigado a descer do automóvel e Jeyson foi mantido no interior do veículo.

Câmeras de segurança registraram uma movimentação estranha já no bairro Boqueirão, onde o corpo foi localizado. No vídeo, dois veículos, uma caminhonete branca e um carro prata, param na região e, depois, dois homens aparecem arrastando o saco onde o corpo foi encontrado. Pelas tatuagens e informações que chegaram, a família acredita que a vítima seja Jeyson. O corpo estava esfaqueado e carbonizado.

Jeyson morava com o pai, a madrasta e quatro irmãos, e estava desempregado. A família ainda afirmou que o jovem era usuário de drogas.