Segurança

Frigorífico esclarece explosão de galão de ácido em Cascavel; três funcionários estão em observação

Após o acidente na noite desta quinta-feira (11), 31 trabalhadores precisaram receber atendimento médico por causa da irritação causada pelo produto

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Frigorífico esclarece explosão de galão de ácido em Cascavel; três funcionários estão em observação
(FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV)

12 de março de 2021 - 10:03 - Atualizado em 12 de março de 2021 - 10:03

O frigorífico que teve uma explosão em um galão de ácido peracético, na noite desta quinta-feira (11), em Cascavel, divulgou uma nota nesta manhã esclarecendo o acidente. De acordo com a empresa do oeste do Paraná, dos 31 funcionários que precisaram de atendimento médico, três permanecem internados.

A direção da Lar Cooperativa ainda revelou que a explosão liberou um forte odor, típico da substância, que logo se alastrou pelas dependências da empresa, principalmente na sala de cortes. O ácido peracético é utilizado para higienização de caixas de frango. 

Durante a operação, a empresa destacou que todos os profissionais recebem treinamentos para situações de acidentes e alguns são capacitados para atuar como bombeiros civis em emergências. 

Ao todo 31 funcionários relataram irritação nos olhos e desconforto respiratório e foram encaminhados para Unidades de Pronto Atendimento e hospitais. O resgate das vítimas contou com ambulâncias do sistema público e privado de Cascavel.

Confira a nota da empresa na íntegra:

Conforme já amplamente noticiado pela imprensa, na noite da última quinta-feira (11), por volta das 20h, em um local externo nas dependências do abatedouro de Cascavel, ocorreu a explosão de um galão de ácido peracético, produto comum em frigoríficos, utilizado no processo de higienização de caixas de frango.

O evento liberou o forte odor típico da substância, que se espalhou para áreas próximas e envolveu principalmente a sala de cortes, rapidamente evacuada pelas equipes de funcionários da cooperativa treinadas e preparadas para agir em situações dessa natureza.

Ao mesmo tempo foram acionados o SAMU e o Corpo de Bombeiros, que prontamente chegaram à unidade e prestaram os primeiros socorros especializados aos trabalhadores que demonstraram maior sensibilidade ao produto, que pode provocar irritação nos olhos e algum desconforto respiratório.

Após o atendimento inicial de emergência realizado pelas equipes da empresa, coordenado logo na sequência pelo SAMU e pelo Corpo de Bombeiros, os funcionários que necessitaram de maior atenção clínica foram encaminhados à rede hospitalar e às UPAs. Embora nenhum deles fosse classificado como grave, a cooperativa ofereceu todo o suporte e apoio para que todos tivessem o melhor atendimento médico, visando seu bem-estar e segurança.

Como não poderia ser diferente, logo após a evacuação da indústria, foi determinada a suspensão do abate e a liberação dos colaboradores para retornarem às suas casas. Por sua vez, as equipes de liderança e segurança da unidade entraram imediatamente em ação para conduzir um amplo e meticuloso trabalho de higienização, limpeza e ventilação das instalações para a retomada normal das atividades na manhã desta sexta-feira (12).

Concluindo, podemos informar que, dos 31 funcionários que requereram encaminhamento clínico, apenas três permaneceram em observação durante a noite no Hospital Universitário, devendo receber alta ainda hoje. Nossas equipes estão devidamente treinadas para agir em situação de risco, inclusive a Cooperativa investe muito em treinamentos nessa área e tem funcionários capacitados no local para atuar como bombeiros civis e equipe completa de Saúde e Segurança do Trabalho.

A direção da Lar quer deixar público o seu agradecimento a todos os profissionais envolvidos no atendimento da ocorrência, atuando com rapidez, dedicação e eficiência exemplares, incluindo nesse registro a especial atenção do secretário municipal da Saúde, dr. Miroslau Bailak.

divulgou a Cooperativa Lar.