Segurança

“Ela queria ser feliz com os filhos dela”, diz namorada de mulher executada em Curitiba

O crime brutal foi filmado por câmeras de segurança; a vítima foi morta com cerca de 14 disparos de arma de fogo feitos por um motociclista

 

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
“Ela queria ser feliz com os filhos dela”, diz namorada de mulher executada em Curitiba
Foto: Reprodução/Grupo RIC

23 de junho de 2021 - 14:25 - Atualizado em 23 de junho de 2021 - 14:55

Mesmo profundamente abalada, Luana Melo fez questão de gravar um vídeo para falar sobre sua namorada, Ana Paula Campestrini, de 39 anos, executada a tiros no portão de casa no bairro Santa Cândida, em Curitiba, na manhã de terça-feira (22). Ela descreveu a companheira como uma mulher amável, lutadora e que batalhou muito pela felicidade do casal e dos filhos, frutos de um casamento anterior. (Assista ao vídeo abaixo)

“Ela foi o amor da minha vida, me ensinou muita coisa e eu esperava passar o resto da minha vida ao lado dela, mas tiraram ela de mim. Ela não merecia isso. Ela merecia ser tratada com respeito, com dignidade, com bondade, porque ela era uma pessoa assim. Ela só queria ser feliz. A gente só queria ser feliz uma do lado da outra. Ela queria ser feliz com os filhos dela, que eram a vida dela. Tudo para ela eram os filhos”,

disse Luana. 

A viúva também fez questão de lembrar que Ana Paula era uma pessoa bondosa e que juntas elas lutaram contra o preconceito por serem um casal homossexual. “A Ana Paula Campestrini era uma joia rara nesse mundo, ela tinha no coração uma bondade sem limites, não importando a situação em que ela estava, ela tirava dela, mesmo que ela não tivesse muito, para ajudar outras pessoas. Ela lutou muito nos quase dois anos oficiais de namoro que a gente passou juntas, ela lutou muito, todos os dias, todos os dias ela batalhou, lutou para ser feliz, lutou para sermos felizes juntas, mesmo sob tanto preconceito, mesmo sob tanta dificuldade que é ser um casal homoafetivo, mas nunca pensamos em desistir, nunca pensámos ir pelo caminhos mais fácil”. 

Por fim, Luana ressaltou que a namorada não tinha inimizades, tratava a todos com igualdade e respeito e, por isso, sua conduta como pessoa não pode estar ligada ao crime brutal do qual foi vítima

“Ela era um ser humano encantador, qualquer pessoa que passou um ou dois minutos com ela ou que passou a vida ao lado dela, vai falar que ela era uma pessoa pura, boa. Ela não gostava nem de discutir, uma simples discussão já deixava ela desconfortável. Ela nunca brigou com ninguém, nunca teve confusão com ninguém, nunca se envolveu com nada que pudesse acarretar esse fim. Era uma pessoa alegre, divertida e brincalhona. Ela era incrível, mais que incrível. O mundo perdeu um ser humano sem outro igual”,

finalizou Luana. 

Segundo informações apuradas pela equipe da RIC Record TV, há cerca de três anos, Ana Paula terminou o casamento de aproximadamente 17 anos com seu ex-marido. Juntos, eles haviam tido três filhos, com 16, 11 e 9 anos. 

Atualmente, ela trabalhava como diarista e motorista de carros de aplicativo e vivia com a namorada no condomínio em frente ao qual foi assassinada.

Investigação

Na tarde da terça-feira (22), a delegada Tathiana Guzella, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), concedeu uma coletiva de imprensa para falar sobre a investigação que apura a execução de Ana Paula. Durante a conversa, a delegada ressaltou que a vítima não possuía passagens pela polícia e a motivação do crime ainda é um mistério

Guzella aproveitou a oportunidade para pedir a colaboração de pessoas que possam reconhecer o assassino, filmando nitidamente pelas câmeras de segurança do condomínio. “Não encontramos boletins de ocorrência contra a vítima. Então, nós temos agora que buscar tudo o que rodeava a vítima e se caso a população tenha alguma informação que possa contribuir aqui nas investigações, pode materializar a denúncia completamente anônima através do 0800-6431121”, disse a delegada.

O crime 

Ana Paula estava dirigindo um carro, modelo Onix vermelho, quando foi surpreendida ao chegar no condomínio Recanto dos Pássaros. Câmeras de segurança registram o momento em que o motociclista parou ao lado do veículo, enquanto ela aguardava a abertura do portão automático, sacou a arma passou a disparar ininterruptamente. A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu antes da chegada de socorro.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.