Segurança

Criminosos aproveitam carência da quarentena para aplicar golpes em mulheres

Confira o relato da mulher que perdeu mais de R$ 30 mil reais para um homem que conheceu pelas redes sociais; ele dizia estar apaixonado

Caroline
Caroline Berticelli / Editora com reportagem de Tais Santana da RIC Record TV, Curitiba
Criminosos aproveitam carência da quarentena para aplicar golpes em mulheres
Foto: Reprodução/RIC Record TV

18 de setembro de 2020 - 15:59 - Atualizado em 24 de setembro de 2020 - 19:54

Criminosos têm aproveitado a carência causada pelo afastamento social para aplicar golpes em mulheres durante a pandemia do novo coronavírus. Na maioria das vezes, os primeiros contatos são feitos através de redes sociais ou aplicativos de relacionamento

Maria José Rosa, vítima de um golpista, conta como foi envolvida pelas mentiras do homem que dizia estar apaixonado

“Ele pediu solicitação de amizade, daí eu aceitei e ele começou a contar a vida dele, que era um viúvo do interior, contou tudo, mas era uma grande mentira. Aos pouquinhos ele foi conseguindo me laçar. Ele falou que ele queria vir embora para o Brasil, que ele era um coronel, que tinha muitos dólares e ia investir aqui no Brasil”, diz Maria. 

O bandido fingia estar apaixonado a ponto de mandar uma mala cheia de dólares para Maria e foi aí que início a segunda parte do golpe. Além das fotos da mala com dinheiro, ele ainda encaminhou um suposto comprovante de postagem da mercadoria. Alguns dias depois, no entanto, outro criminoso entrou em contato com a vítima, afirmou que se tratava de um diplomata e começou a extorsão

“Ele falou assim para mim ‘O seu pacote, sua encomenda está presa. Foi pega na fronteira, você sabia que é crime o que você está fazendo? Recebendo dinheiro do exterior para o Brasil”. A princípio, ele pediu R$ 5.600 que era para liberar. Aí, eu fui lá depositei em uma conta. Quando chegou no outro dia, ele falou que o delegado queria, que ele ia arredondar para R$ 30 mil. Ele insistiu, insistiu, e falou ‘Se você não depositar, você vai ser presa pela Federal. Eu depositei”, conta Maria. 

Ela só se deu conta de que tudo não passava de um golpe quando o homem pediu mais dinheiro. “Depois desses R$ 30 mil, ele queria mais R$ 70 mil”, completa. 

Atenção ao conhecer pessoas pelas redes sociais

Guilherme Guimarães, advogado especialista em direito digital, explica que todo cuidado é pouco para que uma simples conversa virtual não se torne em um enorme problema

“Se o pretenso candidato a ser seu parceiro começar a colocar imagens em redes sociais, pesquise no Google, cheque as informações que ele passa, por exemplo, se ele diz que mora em São Paulo e ele deixa escapar ‘Eu moro aqui no Rio Grande do Sul’, já é um sinal de alerta, evite de postar imagens do seu cotidiano, falar onde você trabalha. A minha recomendação é que parem de usar essas redes sociais para expor a sua vida”,

Assista à reportagem: