Segurança

Caso Tabata: réu acusado de estuprar, matar e enterrar criança é condenado a 41 anos de prisão

Homem permanecerá preso em Curitiba

Guilherme
Guilherme Becker / Editor reportagem da RIC Record TV Curitiba
Caso Tabata: réu acusado de estuprar, matar e enterrar criança é condenado a 41 anos de prisão
(FOTO: Divulgação/Sesp)

16 de outubro de 2020 - 11:32 - Atualizado em 16 de outubro de 2020 - 11:33

O júri popular do caso Tabata ocorreu nesta quinta-feira (15), em Cascavel, no oeste do Paraná, e condenou o réu Eduardo Leonildo da Silva a 41 anos, 1 mês e 15 dias de prisão em regime fechado. O homem, que confessou o crime, foi sentenciado por homicídio qualificado, estupro de vulnerável e ocultação de cadáver.

O crime aconteceu no dia 26 de setembro de 2017, na cidade de Umuarama, no noroeste do Paraná. Tabata Fabiana Crespilho da Rosa, de 6 anos, foi levada até o portão da escola pelo irmão mais velho e depois não foi mais vista. Eduardo foi identificado logo após o crime e apontou o local onde teria enterrado o corpo da garota.

Exames comprovaram que Tabata foi abusada sexualmente e morta por enforcamento. Eduardo foi preso no dia seguinte e permanece detido em Curitiba.

Júri popular caso Tabata

O júri desta quinta-feira durou aproximadamente nove horas em Cascavel. O réu, que segue detido na capital do Estado, participou por chamada de vídeo. Segundo informações do Ministério Público do Paraná (MP-PR), Eduardo Leonildo foi condenado a 41 anos de prisão e continuará em Curitiba.

O homem condenado por homicídio com duas qualificadoras, também responde por outros dois crimes de estupro e pelo homicídio de uma adolescente de 15 anos.