Renata
Renata Nicolli Nasrala / Editora

4 de junho de 2020 - 08:00

Atualizado em 4 de junho de 2020 - 10:19

Segurança

Agente penitenciário morre em troca de tiros com a PM, em Curitiba

Na residência, duas armas foram apreendidas pela PM: um revólver calibre 38 e uma pistola nove milímetros

Agente penitenciário morre em troca de tiros com a PM, em Curitiba
Foto: reprodução RIC Record TV

Na noite desta quarta-feira (3), um agente penitenciário morreu em Curitiba em uma troca de tiros com a Polícia Militar do Paraná (PMPR), na rua Cruzeiro do Sul, no Sítio Cercado.

Agente penitenciário morre Curitiba: homem teria começado a ameaçar familiares

Alinor Dimas Paes, de 57 anos, estava em casa quando a confusão começou. De acordo com a PM, o filho da vítima acionou a polícia alegando que o pai teria começado a atirar e ameaçar familiares dentro da residência.

No local, a PM afirmou que tentou conversar com o agente penitenciário, mas Alinor não correspondeu e logo efetuou disparos contra os policias.

De acordo com o capitão Edvagner, da PM, no telefone o filho informou que o pai estava armado na residência e era agente penitenciário.

Ele disse que o pai estava com duas armas de fogo efetuando disparos dentro da residência.

Ainda conforme o capitão da PM, no momento em que a equipe policial se aproximou o agente penitenciário efetuou diversos disparos contra os homens.

Não conseguiram nem fazer a primeira intervenção, o que obrigou as equipes a efetuarem os disparos para impedir que ele continuasse agredindo as equipes ali.

Na residência, duas armas foram apreendidas pela PM: um revólver calibre 38 e uma pistola nove milímetros.

agente morre curitiba
Foto: reprodução RIC Record TV

Em nota, o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), lamentou a morte do profissional e informou que o servidor estava lotado na Colônia Penal Agroindustrial de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, e trabalhava em regime de plantão.

Além disso, a nota reforçou que no momento da confusão o agente penitenciário estava de folga, e sempre foi considerado um excelente profissional.

Agora, a corregedoria do Depen deve acompanhar o desfecho do caso.

Confira a reportagem completa: