Saúde

Com taxa de ocupação de 96,4%, dois morrem à espera de leitos de UTI geral em Cascavel

Na rede pública do município, a taxa de ocupação é de 96,4%. De acordo com a prefeitura, cerca de 35 pacientes aguardam transferência

Renata
Renata Nicolli Nasrala / Editora
Com taxa de ocupação de 96,4%, dois morrem à espera de leitos de UTI geral em Cascavel
Foto: reprodução AEN

15 de setembro de 2020 - 11:43 - Atualizado em 15 de setembro de 2020 - 11:44

A rede pública em Cascavel, no oeste do Paraná, está enfrentando uma situação grave.

Na rede pública do município, a taxa de ocupação é de 96,4%. De acordo com a prefeitura, cerca de 35 pacientes aguardam transferência para um leito de UTI geral, ou seja, leitos que não são destinados à pacientes com a covid-19.

Duas pessoas morrem em Cascavel à espera de leitos

De acordo com João Gabriel Avanci, diretor da 10º Regional de Saúde de Cascavel, neste fim de semana duas pessoas morreram em Cascavel à espera de leitos na UTI geral. Os dois indivíduos que vieram a óbito tinham 78 e 55 anos.

“No final de semana nós tivemos uma situação que em 15 anos de secretária estadual de saúde eu nunca tinha vivenciado. O fato de todos os leitos de UTI do município de Cascavel estarem ocupados, tanto na rede pública quanto na rede privada”.

Ainda segundo Avanci, a situação é terrível, e o fato da população ter voltado às ruas “exageradamente” dá a impressão que a pandemia acabou.

“Mas não acabou. A sobrecarga foi muito grande, ficamos totalmente sem leitos de UTI, dependendo de transferência para outras regiões do estado”, explicou Gabriel.

Foto: reprodução AEN

No caso das duas vítimas que vieram a óbito, Avanci explica que infelizmente não foi oportunizado em tempo a chegada até a UTI. “Isso sem dúvida nenhuma é muito ruim, é terrível. Estamos trabalhando para viabilizar os leitos na macro região”.

Providências do estado

Conforme o diretor da 10º Regional de Saúde de Cascavel, as providências que vem sendo tomadas pelo estado do Paraná são diversas, entretanto, nesse momento não existe capacidade de abertura de leitos em lugar algum da cidade, já que as UTIs não covid estão sobrecarregadas.

“De sábado pra cá tivemos uma rotatividade. Pacientes foram remanejados. Hoje nós já temos capacidade. Não estamos em colapso, porém isso é muito dinâmico. O que se pensaria talvez é converter algum leito covid em UTI geral, mas a covid tá aumentando de novo. Nós não temos condições nesse momento de fazer essa alteração”.

João Gabriel Avanci
Foto: reprodução RIC Record TV

No momento, Avanci explica que a Secretária Estadual de Saúde está buscando os leitos na rede dos municípios da região e da macro região.

“Isso foi inclusive dialogado hoje, de que estando em colapso, em uma situação de que não haja nenhum leito na rede convencional, nós iremos utilizar leitos da oncologia, leitos também dos hospitais que estão pra covid. Essa conversa já existe, mas são especificidades de atendimento muito distintas, e a gente fala de complexidade distinta”.

Agora, o foco da saúde é praticar junto com o Samu e com a regulação a transferência de pacientes em tempo de conseguir abrir espaço em Cascavel e oportunizar que todos sejam atendidos no tempo certo.