Coronavírus

Primeira vacinada na Bahia é internada com covi-19 antes da segunda dose

Ela contraiu a doença antes da segunda aplicação; o mesmo ocorreu com a técnica de enfermagem Nair de Fátima Silva em Londrina, no norte do Paraná

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Primeira vacinada na Bahia é internada com covi-19 antes da segunda dose
Foto: Divulgação/Governo da Bahia

23 de fevereiro de 2021 - 17:56 - Atualizado em 23 de fevereiro de 2021 - 17:59

Uma enfermeira, que foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a covid-19 na Bahia, precisou ser internada devido a complicações causadas pela doença nesta terça-feira (23). Maria Angélica de Carvalho Sobrinho, de 53 anos, ainda não estava imunizada contra o novo coronavírus porque só havia tomado a dose inicial da CoronaVac.  

De acordo com o R7, ela recebeu a primeira dose do imunizante no dia 19 de janeiro e iria receber a segunda em 16 de fevereiro, mas contraiu o Sars-CoV-2 três dias antes da aplicação

Ceuci Nunes, infectologista e diretora do Hospital Couto Maia, onde Maria está hospitalizada, afirmou que seu quadro de saúde é estável e reforçou que a doença não é uma reação adversa da vacina. 

Ainda conforme Ceuci, foi “comprovada cientificamente” que a vacina contra a covi-19 é eficaz contra casos graves da doença, mas ainda não é possível saber se ela também irá prevenir casos mais amenos. 

Técnica de enfermagem morre antes da 2º dose da vacina

Na última sexta- feira (19), a técnica de enfermagem Nair de Fátima Silva, de 50 anos, morreu de covid-19 em Londrina, no norte do Paraná. Ela havia recebido a primeira dose da vacina no dia 21 de janeiro e não pôde receber a segunda aplicação porque também contraiu a doença antes da data. 

Nair era diabética e chegou a ficar internada por quatro dias, mas recebeu alta médica e acabou sofrendo uma parada cardiorrespiratória em casa. 

A doutora em microbiologia Aline Stipp falou sobre o caso com a RIC Record TV e ressaltou que para que a pessoa esteja de fato protegida contra a covid-19, no caso da CoronaVac, é indispensável que ela tome as duas doses da vacina

Além disso, Stipp também pontuou que mesmo após receber as duas aplicações, é preciso esperar um período que varia de 14 a 20 dias para que o organismo da pessoa responda ao imunizante. 

“A gente chama de janela imunológica. O organismo demora um período para responder à vacina, de 14 a 15 dias. Existem estudos que dizem que demora até 20 dias. Depende muito do sistema imunológico da pessoa. Então, ela tem que ficar resguardada, com máscara, com lavagens das mãos, com o todos os cuidados ainda de duas a três semanas”, disse Stipp na ocasião.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.