Coronavírus

Justiça nega pedido do MP de determinar lockdown em Cascavel

Lucas
Lucas Sarzi
Justiça nega pedido do MP de determinar lockdown em Cascavel
Foto: Arquivo/RIC Mais.

17 de junho de 2020 - 17:40 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 16:26

A Justiça negou o pedido do Ministério Público para fechar a cidade de Cascavel, no Oeste do Paraná. Com isso, o chamado lockdown não será determinado, pelo menos por enquanto. A decisão, da juíza Nícia Kirchkein Cardoso, veio no fim da tarde desta quarta-feira (17).

Pelo menos por enquanto, a situação em Cascavel continua a mesma de antes, valendo o último decreto. Entre outras orientações, aos finais de semana só podem funcionar na cidade farmácias, hospitais e laboratórios.

Conforme a avaliação da juíza, não cabe ao judiciário tomar este tipo de decisão, de fechar a cidade. “Cabe aos gestores do município de Cascavel, no combate à pandemia, coordenar ações que envolvam a infraestrutura da rede pública de saúde, em observância às contingências e emergências específicas verificadas”, disse Nícia Cardoso, no decisão.

Conforme a juíza, o “Poder Judiciário não pode analisar a discricionariedade da Administração Pública, sob pena de violar o princípio da separação dos poderes“, competindo a Justiça apenas analisar a questão da legalidade do decreto mencionado pelo MP.

Sobre o decreto, que foi adotado no último domingo (14), a juíza afirmou que as medidas tomadas pela prefeitura afastam eventual omissão do Município em relação à pandemia. “Há de se ressaltar, ainda, que os decretos do município de Cascavel estão respaldados em deliberações técnicas, as quais analisam os dados dos casos suspeitos, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus, como, por exemplo, as recomendações do Centro de Operações de Emergência – COE”.

Sem omissão da prefeitura, mas decisão pode ser revista

A juíza ainda citou algumas das orientações tomadas pela cidade, como a ampliação dos leitos de UTI, aumento na testagem de pacientes e estrutura para receber os doentes. Com tudo isso, Nícia considerou não encontrar, neste momento, omissão da prefeitura. “Não vislumbro omissão do Município ou ilegalidade apta a ensejar a atuação do Poder Judiciário”.

Apesar disso, a juíza deixou claro que a decisão tomada agora pode ser modificada a qualquer momento. “Por derradeiro, a presente decisão, pode ser revista a qualquer tempo, desde que venham aos autos elementos de convicção que autorizem nova decisão”.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.