Coronavírus

EUA proíbe entrada de cães brasileiros de estudantes e turistas

De acordo com a nova lei, pessoas que não são residentes americanos e venham de países que não erradicaram o vírus da raiva, não poderão entrar com seus cachorros

Caroline
Caroline Maltaca / Estagiária com informações da produtora Aline Taveira e supervisão de Caroline Berticelli
EUA proíbe entrada de cães brasileiros de estudantes e turistas
EUA proíbe entrada de cães brasileiros de estudantes e turistas (Foto: Fernando Frazão/Agencia Brasil)

28 de julho de 2021 - 18:46 - Atualizado em 28 de julho de 2021 - 18:46

O governo americano sancionou recentemente uma lei que proíbe a entrada de cachorros vindos de países que não erradicaram o vírus da raiva. Dentre os países listados na proibição, está o Brasil, que de 2010 a 2020, registrou 38 casos de raiva humana, segundo o Ministério da Saúde.

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CPD) dos Estados Unidos, entre as pessoas que poderão entrar livremente com seus animais estão:

  • Funcionários do governo dos EUA viajando por ordem oficial;
  • Cidadãos dos EUA ou residentes legais dos EUA que se mudem para o país;
  • Pessoas com deficiência que precisem de cães-guia treinados para atendê-los;

Em relação a ​​animais de apoio emocional ou de companhia, o CPD informa que não são considerados animais de serviço.

Exigências

A dermatologia veterinária Wendi Caetano explica que a proibição dos Estados Unidos se assemelha com as exigências criadas na Europa anos atrás.

“Há 18 anos que a Europa cria uma série de exigências para a entrada de animais na Europa, e essas exigências se você cumprir, você entra. Para os Estados Unidos, o que eles estão fazendo é determinar exigências similares a da Europa, mas além das exigências, você vai ter que mandar uma solicitação de importação, onde eles vão analisar caso a caso e permitir ou não a entrada”,

explicou Wendi Caetano.

De acordo com o CPD americano, entre as exigências listadas, estão:

  • Certificado de vacinação anti-rábica emitido nos Estados Unidos;
  • Certificado de Saúde de Exportação do USDA dos Estados Unidos emitido em 14 de julho de 2020 – 14 de julho de 2021;
  • Documentação de que eles viajaram para fora dos Estados Unidos com seu dono antes de 14 de julho;
  • Visto de residente ou passaporte americano;

Wendi explica que outra possibilidade disponível para os donos de pets que desejam viajar para o país, principalmente neste momento de pandemia, é cumprir a quarentena em outro país que não conste na lista de proibição.