Coronavírus

É preciso se adaptar, receitas milagrosas não trarão o mundo de volta ao normal, defende Márcia Huçulak

“Há uma mudança em curso e as pessoas não estão percebendo, querem continuar vivendo da mesma maneira. Não é mais possível e não será mais possível”, disse  a secretária de Saúde de Curitiba

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
É preciso se adaptar, receitas milagrosas não trarão o mundo de volta ao normal, defende Márcia Huçulak
FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV

26 de março de 2021 - 18:46 - Atualizado em 26 de março de 2021 - 19:58

Durante entrevista coletiva realizada na tarde desta sexta-feira (26), para anunciar as novas medidas de combate à covid-19 em Curitiba, a secretária municipal de saúde ressaltou que é preciso que a sociedade se adapte ao momento pelo qual o mundo passa. Para Márcia Huçulak, as pessoas têm resistido às mudanças impostas pela pandemia na tentativa de manter a vida como era antes, no entanto, isso não é mais possível. 

“Esse é um momento muito difícil para a humanidade. A gente não tem noção, talvez não tenha dimensão do quanto isso vai afetar o mundo, as relações, o comércio, a indústria, as viagens. Nós temos um longo caminho pela frente. O ano passado quando a gente começou a pandemia, a gente dizia pela nossa experiência de muitos anos, a gente já viveu epidemia de gripe, H1N1, Sarampo e outras, que quando a gente olha para a história da saúde com as pandemias e epidemias do mundo, algumas durante três, algumas quatro anos, alguma dizimaram grande parte da humanidade, a peste negra, a gripe espanhola, são alguns exemplos de alta mortalidade e de longo período. É muito difícil quando se começa um processo que as pessoas têm muita dificuldade de se adaptar a esse novo momento. Já dizia Darwin: ‘Sobrevive quem se adapta, nem o mais fraco e nem o mais forte’ e a sociedade está resistindo a se adaptar. Há uma mudança em curso e as pessoas não estão percebendo, querem continuar vivendo da mesma maneira. Não é mais possível e não será mais possível”, disse Huçulak. 

A secretária também ressaltou que muito dessa relutância é incentivada pela divulgação e insistência no uso de medicamentos sem a eficácia comprovada. “A gente entende que para o comerciante que é um leigo, ele quer o comércio dele aberto do jeito que ele sempre fez, ele quer voltar a academia dele do jeito que ele sempre fez, ele quer voltar jogar futebol na cancha. Aí, criou-se essa fantasia, muito patrocinada e todo mundo sabe pelo nosso dirigente maior desse país, infelizmente, sem nenhum embasamento científico, sem nenhuma evidência científica. As pessoas se apegaram a uma pílula milagrosa que vai salvar o mundo. Que bom se fosse. A gente adoraria”. 

“Já dizia Darwin: ‘Sobrevive quem se adapta, nem o mais fraco e nem o mais forte’ e a sociedade está resistindo a se adaptar. Há uma mudança em curso e as pessoas não estão percebendo, querem continuar vivendo da mesma maneira. Não é mais possível e não será mais possível”, Márcia Huçulak. 

Ela ainda completou lembrando que no início da pandemia, quando havia a suspeita de que medicamentos como Cloroquina, Hidroxicloroquina, Ivermectina, entre outros, eram benéficos para o tratamento da covid-19, a Secretária de Saúde Municipal chegou a prescrever o uso de algumas drogas. No entanto, já entre junho e julho de 2020, foi possível constatar que os remédios em questão não trazem nenhum tipo de vantagem para os infectados pelo novo coronavírus. 

Vendeu-se uma ilusão para as pessoas. Eu só lamento. Hoje no mundo atual, no dia 26 de março de 2021, não tem o menor cabimento defender. A própria indústria farmacêutica, a produtora da Ivermectina já disse que não serve para covid. A própria indústria que já ganhou muito dinheiro, que tem gente com interesse de vender e, inclusive, de prescrever isso, mas que deve ter outro interesse que não deve ser a saúde da população certamente. Nós temos muitos pacientes dentro do sistema de saúde de Curitiba que tomaram e morreram. Foram para o tubo com complicações e a gente até se questiona, se não tivesse tomado, se o desfecho poderia ser talvez ser diferente”, disse a secretária.

“Lamento que as pessoas usem isso para dizer que lockdown não funciona, máscara não funciona, distanciamento não funciona. Funciona sim e infelizmente não há uma droga ainda no mundo que possa dar conta disso”, finalizou Huçulak.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.