Coronavírus

Governo do Paraná volta atrás e libera serviço delivery para restaurantes de shoppings

Resolução é válida para 141 cidades que estão incluídas no decreto que impõem uma quarentena mais restritiva

Guilherme
Guilherme Becker / Editor
Governo do Paraná volta atrás e libera serviço delivery para restaurantes de shoppings
(Foto: Geraldo Bubniak/ AEN)

9 de julho de 2020 - 14:26 - Atualizado em 9 de julho de 2020 - 14:26

O secretário de Estado da Saúde do Paraná Beto Preto assinou a resolução Nº 875/2020 nesta quarta-feira (8) que autoriza o funcionamento dos restaurantes de shopping para operarem em serviço delivery, enquanto vigora o Decreto Estadual 4942/2020. Os estabelecimentos de alimentação que operam em centros comerciais e galerias também podem funcionar de acordo com as determinações.

Nesta semana quatro shoppings de Curitiba tiveram as atividades suspensas após uma fiscalização da prefeitura.

Restaurantes voltam a funcionar em shoppings

O decreto estadual publicado no dia 30 de junho proibiu o funcionamento dos shoppings, galerias e centros comerciais, incluindo os serviços essenciais que operam nestes estabelecimentos. Entretanto, alguns shoppings, em Curitiba por exemplo, continuaram com os serviços delivery, drive thru e take away. Após uma fiscalização no início desta semana as atividades foram suspensas.

Nesta quarta-feira (8), representantes da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (ABRABAR) e da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) pediram uma nova revisão no decreto cobrando o governo para manter o funcionamento das atividades consideradas essenciais.

Mais tarde, o secretário Beto Preto publicou uma resolução atendendo os pedidos. 

“Os restaurantes e lanchonetes abrangidos pelo Art. 1° da presente Resolução ficam autorizados a atender apenas por meio de entrega de produtos em domicílio (delivery).
Somente estão autorizados a adentrar nestes estabelecimentos os funcionários ou responsáveis pelo serviço de entrega dos alimentos. Ficam vedadas as demais modalidades de comercialização de alimentos, como a retirada expressa sem desembarque (drive thru) e a retirada em balcão (take away)”, diz a resolução.

A resolução entrou em vigor nesta quinta-feira (9). Confira o posicionamento do presidente da ABRABAR, Fabio Aguayo, diante da decisão:

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.