Coronavírus

Com situação grave, Curitiba pode rever orientações e não descarta lockdown

Lucas
Lucas Sarzi
Com situação grave, Curitiba pode rever orientações e não descarta lockdown
Foto: Agência Brasil.

16 de junho de 2020 - 21:24 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:40

A população precisa nos ajudar”, desabafou a secretária de Saúde Márcia Huçulak, nesta terça-feira (16). A afirmação veio no dia em que Curitiba informou estar com 85% dos leitos de UTIs ocupados pelo novo coronavírus. Segundo a secretária, a prefeitura pode ter que rever decisões tomadas para garantir que a população se mantenha com saúde.

“Nossa ocupação hoje é de 85%, mas porque estamos fazendo esforço de ampliação. A situação também está complicada para os profissionais da saúde, que estão chegando ao limite, por isso precisamos baixar o movimento na cidade”, explicou Márcia Huçulak.

Segundo a secretaria, ao contrário do que foi dito pelas associações que representam restaurantes e até pelos representantes das academias, o decreto publicado no sábado (13) não vai ser modificado

“Ouvimos as demandas das academias numa reunião, mas em razão do aumento dos quadros e internações, vamos ter que refazer a conversa. Talvez até uma atitude um pouco mais restritiva”, comentou Márcia, destacando que o que vale, para as academias, é o termo de responsabilidade, mas que até isso pode ter que ser revisto no momento. 

Sobre o funcionamento dos bares, a secretária informou que continuam fechados. Já sobre restaurantes, que podem funcionar até às 15h e depois somente com delivery, a decisão continua. “Não queríamos fechar nada, mas a aglomeração transmite o vírus. Podemos ter 10 mil leitos de UTI, se não diminuir a circulação, teremos dificuldade em atender todas as pessoas ao mesmo tempo. Por isso, pedimos compreensão dos setores”. 

marcia-huculak-coronavirus-curitiba
Foto: Reprodução/Facebook.

“Fique em casa”, pede a secretária de Saúde de Curitiba

A secretária municipal de Saúde alertou, mais uma vez, que a transmissão do novo coronavírus está muito rápida na cidade e que só a população pode ajudar. “Precisamos conter a movimentação na cidade. Estamos muito preocupados com a situação, que pode mudar a cada dia. A população precisa ficar em casa”.

Por enquanto, pelo menos até o próximo sábado (20), quando serão revistos os números, não há possibilidade de fechar a cidade, o chamado lockdown. Mas a secretária reforça o alerta: a população precisa ajudar. “Se as pessoas nos ajudarem, vamos conseguir segurar o lockdown, mas se chegarmos numa situação pior, teremos que tomar essa medida mais drástica. Pode acabar em lockdown, sim”.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.