Coronavírus

Covid-19: Paraná é o segundo estado que mais vacinou gestantes e puérperas

Foram vacinadas 32.952 pessoas deste público, sendo 31.876 com a primeira dose e 1.076 totalmente imunizadas

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações da AEN
Covid-19: Paraná é o segundo estado que mais vacinou gestantes e puérperas
(Foto: Ari Dias/AEN)

22 de junho de 2021 - 15:55 - Atualizado em 22 de junho de 2021 - 15:55

Os dados nacionais do Vacinômetro do Ministério da Saúde apontam que o Paraná está em segundo lugar em número absoluto de vacinação contra Covid-19 de gestantes e puérperas no país, com 32.952 doses aplicadas, sendo 31.876 com a primeira dose e 1.076 totalmente imunizadas. O público é considerado prioritário nos planos federal e estadual de imunização.

Pernambuco é o estado com maior número geral, com 35.767 doses aplicadas, e na terceira colocação está Minas Gerais, com 31.445. Estados mais populosos, como Bahia e Rio de Janeiro, aparecem em 4º e 11º, respectivamente. O total geral de gestantes e puérperas vacinadas com a primeira dose no Brasil até o momento é de 267.179

No Paraná, o Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19 inclui as gestantes e puérperas no grupo prioritário de pessoas com comorbidades entre 18 a 59 anos, com 1.328.677 pessoas. Desse total, 499.995 pessoas com comorbidades e 31.876 grávidas/puérperas tomaram a primeira dose, 40% do estimado.

“Além dos dados globais, o estado saiu na frente na recomendação para vacinação de gestantes e puérperas até 45 dias após o parto, sem comorbidades, com imunizantes que não contenham vetor viral. Fizemos nossa recomendação dez dias antes da recomendação nacional, o que que acelerou a proteção sobre esse público”

afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Gestantes e puérperas são o 11º grupo prioritário mais vacinado no Paraná até o momento. A maioria têm entre 25 e 29 anos (9.094 doses aplicadas) e 30 e 34 anos (8.548).

O Paraná começou a imunizar gestantes e puérperas em maio, conforme o fim da imunização nos idosos. No dia 13, no entanto, seguindo recomendação federal, o estado orientou a interrupção temporária da vacinação contra a Covid-19 em gestantes e puérperas sem comorbidades.

Em nota técnica, no dia 11 de junho, no entanto, a Secretaria de Estado da Saúde (SESA) voltou a incluir todas as gestantes e puérperas, com a presença ou não de comorbidades, no Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19, utilizando vacinas que não contenham vetor viral, ou seja, Sinovac/Butantan (Coronavac) ou Pfizer/BioNTech (Comirnaty), e respeitando a decisão e autonomia da mulher.

O documento considerou o aumento de óbitos maternos por Covid-19 e a necessidade de imunizar este público com velocidade, especialmente pela segurança que a vacinação garante.

Em 2020, segundo a Sesa, ocorreram 80 óbitos maternos totais, sendo que 17 desses foram por Covid-19 (21,2%). Neste ano, até 17 de junho, foram 93 óbitos maternos totais, sendo 63 por Covid-19 (68%).

“Inúmeras são as ações de Atenção e Vigilância em Saúde com o intuito de diminuir estes números. Dentre elas a imunização das gestantes e puérperas contra a Covid-19. O conhecimento e as experiências adquiridas no decorrer da pandemia nos evidenciam que é preciso continuar a destinar doses para esse público”

disse a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes.

Neste domingo (20), em reunião extraordinária virtual da Câmara Técnica Assessora de Imunizações e Doenças Transmissíveis, o Ministério da Saúde recomendou a vacinação de gestantes e puérperas contra a Covid-19, mesmo sem comorbidades, com vacinas de vírus inativado (Coronavac) ou Plataforma de RNA (Pfizer), medida que já era adotada no Paraná desde 11 de junho.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.