Coronavírus

Câmara aprova quebra de patentes para vacinas e medicamentos em emergência de saúde

Sendo criado pelo deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o texto aprovado permite que o Congresso efetive a quebra das patentes em caso de omissão do governo federal

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Câmara aprova quebra de patentes para vacinas e medicamentos em emergência de saúde
Vista do prédio do Congresso Nacional em Brasília

6 de julho de 2021 - 18:44 - Atualizado em 6 de julho de 2021 - 18:57

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (6) projeto que autoriza a quebra de patentes para a produção de vacinas e medicamentos e de tecnologias úteis em caso de emergência em saúde pública ou reconhecimento de estado de calamidade.

De autoria do deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o texto aprovado permite que o Congresso Nacional edite projeto de lei para efetivar a quebra das patentes em caso de omissão do governo federal.

“Saliente-se que o tema da licença compulsória de patentes tem merecido, ultimamente, muito destaque em diversas discussões em todo o mundo, principalmente por causa do processo de imunização contra a Covid-19”, disse o relator.

“Nesse contexto, as tecnologias que podem, de alguma forma, servir para conter a transmissão do patógeno e para combater os danos causados pela doença ao organismo humano, são encaradas com muita esperança por todo mundo e não é diferente no Brasil. Entre as tecnologias úteis, as vacinas merecem um lugar de destaque”, avaliou.

A proposta também estabelece que o ato que tratar da quebra da patente de tecnologias úteis na prevenção e combate das causas da emergência sanitária defina seu prazo de vigência e eventual possibilidade de prorrogação.

O relator retirou do texto dispositivo que obrigava o titular da patente a oferecer o material biológico para a produção da tecnologia licenciada.

Como foi alterada – deputados aprovaram um substitutivo -, a proposta volta ao Senado para uma segunda análise. Aécio anunciou em plenário que há acordo com os autores e o relator da proposta na outra Casa para a manutenção do texto.

“Já há o entendimento de que as alterações e, parece-me, os avanços incontesteis que nós introduzimos no projeto serão incorporados também no Senado, que manterá, segundo esse acordo, o texto aqui conosco negociado.”

O governo posicionou-se contra a aprovação da matéria.

https://ricmais.com.br/noticias/coronavirus/

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.