Coronavírus

Amostras identificam predominância da variante P1 no Paraná

P1 estava presente em 46% das amostras coletadas em parceria com diversas entidades de pesquisa no Paraná.

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações da Sesa
Amostras identificam predominância da variante P1 no Paraná
Pesquisador retira amostra de ultra congelador em Universidade em Tóquio

30 de março de 2021 - 22:57 - Atualizado em 30 de março de 2021 - 22:57

Dentre as 80 amostras em que foram realizados sequenciamentos genômicos para verificação de linhagens do vírus SARS-CoV-2 no Paraná, 46,2% corresponderam a linhagem P1, variante brasileira circulante desde o final do ano passado no país.

O relatório da Rede Genômica Fiocruz foi coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) em conjunto com o Instituto Carlos Chagas (Fiocruz Paraná) e Universidade Federal do Paraná (UFPR) com supervisão do Laboratório Central do Estado (Lacen/PR) e divulgado nesta terça-feira (30).

“Embora o número de amostras aparente ser pequeno, este recorte de testagem demonstra a efetiva circulação da variante brasileira P1 que já está em transmissão comunitária”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

“A taxa de contaminação tem aumentado, nos últimos dias quase metade de dos testes RT-PCR realizados no Paraná tem resultado positivo, ou seja, mais pessoas estão se infectando e grande parte delas pode estar com a variante P1, que é mais agressiva do que a doença que conhecemos no ano passado”, acrescentou.

Seleção

Para a seleção das amostras, foram definidos dois grupos dentro de cada Macrorregião do Estado. Um grupo composto pelos municípios sede das Regionais de Saúde e um segundo com os demais municípios que compõem a Macro, com exceção da Macrorregional Leste, onde foi criado um grupo adicional para o município de Curitiba e Região Metropolitana.

Divisão de amostras

Foi definida a alocação igual de 24 amostras por Macrorregião, e sorteio aleatório das amostras para os grupos pré-definidos em cada Macro. Das 80 amostras viáveis em que o sequenciamento foi realizado, as linhagens mais frequentes foram a P1 com 46,2%; B.1.1.28 com 28,8% e P2 com 11,2%;. Além disso foram identificadas variantes do Reino Unido (B.1.1.7), entre outras.

Outro relatório de sequenciamento já havia sido feito, no entanto o processamento das amostras foi realizado pela Fiocruz, no Rio de Janeiro. Desta vez, as amostras foram analisadas no Paraná, com a parceria da UFPR. A previsão é de que novas coletas serão verificadas nos próximos dias.

“Pretendemos trabalhar com este quantitativo de até 100 amostras nos próximos três ou quatro relatórios, além de reduzir a janela de dias entre as amostras analisadas. Neste estudo específico os testes analisados foram escolhidos em um período de três dias”, afirmou o diretor da Fiocruz Paraná, Bruno Dallagiovanna.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.