Coronavírus

ACP pede ao governo e à prefeitura de Curitiba para que ‘lockdowns’ não sejam impostos

A associação destacou que os “seguidos lockdowns têm levado negócios à falência”

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
ACP pede ao governo e à prefeitura de Curitiba para que ‘lockdowns’ não sejam impostos
(Foto: Reprodução/Prefeitura de Curitiba)

14 de maio de 2021 - 14:20 - Atualizado em 14 de maio de 2021 - 14:23

A Associação Comercial do Paraná (ACP) enviou, na manhã desta sexta-feira (14), cartas ao governador Ratinho Jr. e ao prefeito Rafael Greca com apelos para que evitem o fechamento do comércio caso novas medidas restritivas sejam tomadas para combate à pandemia da Covid-19. O documento também foi enviado aos vereadores de Curitiba.

Para o órgão, os “seguidos lockdowns têm levado negócios à falência e ao fechamento de milhares de vagas de trabalho sem resultados efetivos no controle da pandemia”.

Confira as cartas na íntegra:

Excelentíssimo Senhor Rafael Greca

Prefeito de Curitiba

Diante das declarações da Sra. Secretária Municipal de Saúde, Márcia Huçulak, dando conta de que Curitiba poderá voltar à bandeira vermelha na próxima semana por causa do aumento da taxa de transmissão do novo coronavírus, tomamos a liberdade de informar que os empresários do comércio da capital sentem-se mais uma vez ameaçados e inseguros quanto à sobrevivência de seus negócios.

Os seguidos “abre e fecha” levam empresas à falência e à perda de milhares de vagas de trabalho sem resultados efetivos no controle da pandemia. As afirmações da secretária de saúde pressupõem novas medidas duras e mais incertezas para a população. Com as seguidas ameaças de fechamento, os empresários sentem-se inibidos a projetar o futuro – mesmo a curto prazo – e de planejar investimentos.

Posto isso, rogamos a Vossa Excelência que poupe o comércio do sacrifício inútil que seria novo fechamento das atividades.

A Associação Comercial do Paraná formalizou junto a esta prefeitura e também ao governo estadual uma proposta alternativa ao chamado lockdown, qual seja, a implantação de um sistema de rodízio para o funcionamento dos setores de comércio e serviços. A proposta recebeu apoio da Câmara Municipal de Curitiba, que aprovou em plenário a indicação de ato administrativo para que seja implementado o sistema. Entendemos que seja uma alternativa mais racional ao chamado lockdown e que garantiria mais distanciamento social com a redução na circulação de pessoas por toda a cidade.

A ACP sempre esteve e estará aberta ao diálogo em defesa da vida e da economia.

Camilo Turmina, presidente da ACP

Excelentíssimo Senhor

Governador do Estado do Paraná
Carlos Roberto Massa Junior

Diante da notícia veiculada pela imprensa na última quinta-feira 13/04, dando conta de que não estão descartadas pelo governo medidas mais restritivas para combate à pandemia da covid-19, tomamos a liberdade de reforçar junto a Vossa Excelência nosso posicionamento contrário à adoção de medidas radicais que venham a impor novamente o fechamento do comércio.

A Associação Comercial do Paraná já formalizou tanto junto ao governo estadual quanto à prefeitura de Curitiba uma proposta alternativa ao chamado lockdown, qual seja, a implantação de um sistema de rodízio para o funcionamento dos setores de comércio e serviços. A proposta recebeu apoio da Câmara Municipal de Curitiba, que aprovou em plenário a indicação de ato administrativo para que seja implementado o sistema.

Os seguidos lockdowns têm levado negócios à falência e ao fechamento de milhares de vagas de trabalho sem resultados efetivos no controle da pandemia.

Rogamos para que o governo do Paraná descarte esta medida e avalie ações alternativas como a por nós proposta. No nosso entendimento, esta seria uma forma de garantirmos maior distanciamento social e ao mesmo tempo permitir que a economia gire, mesmo que de forma reduzida.

Camilo Turmina, presidente da ACP

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.