Saúde

Assistentes sociais pedem por vacinação contra a covid-19, no Paraná

Segundo o CRESS, pelo menos 16 assistentes sociais já morreram em decorrência da covid-19 no estado

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Assistentes sociais pedem por vacinação contra a covid-19, no Paraná
(Foto: Reprodução/CRESS-PR)

31 de maio de 2021 - 16:07 - Atualizado em 31 de maio de 2021 - 16:07

O Conselho Regional de Serviço Social do Paraná (CRESS-PR) decidiu se mobilizar para exigir esforços públicos do estado para vacinar os profissionais do Sistema Único de Assistência Social (SUAS).

A estimativa é que haja 30 mil trabalhadores do SUAS no Paraná, incluindo assistentes sociais e profissionais de outras áreas (psicólogos, pedagogos, etc.) em Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), unidades e casas de acolhimento e outras organizações.

Esses profissionais estão presentes no Plano Estadual de Vacinação, com grau de prioridade igual ao de profissionais de educação, mas nem todos os municípios têm seguido essa orientação, uma vez que seguem o Plano Federal, que exclui esse segmento das prioridades. O projeto de lei para a inclusão de profissionais no SUAS entre as prioridades foi aprovada pela Câmara dos Deputados e aguarda votação no Senado Federal.

A classe atua na linha de frente no atendimento presencial ao público e não paralisou as suas atividades. Assim, a contaminação pelo coronavírus têm sido alta, além dos óbitos. Apenas na cidade de Irati e nos nove municípios vizinhos, na região Sudeste do Paraná, pelo menos 25% dos profissionais já foram contaminados. Por isso, trabalhadores do SUAS na região paralisaram suas atividades e realizaram manifestações pedindo a priorização da vacinação para esse público. Pelo menos 16 assistentes sociais já morreram em decorrência da covid-19 no estado.

De acordo com a conselheira do CRESS-PR, Marcia Lopes, os profissionais do Serviço de Assistência Social atendem mais de 1,5 milhão de pessoas com registro no CadÚnico e mais de 420 mil no Bolsa Família, além de populações em situação de vulnerabilidade como indígenas, quilombolas, ribeirinhos, entre outros.

“Os profissionais da Política de Assistência Social ajudam a proteger essas populações, a colocar em prática políticas públicas essenciais e precisa fazer com que os serviços funcionem de maneira presencial. Precisamos proteger esses trabalhadores e fazer com que eles sejam prioridades para os municípios paranaenses”,

explica a conselheira.

O CRESS-PR já enviou ofícios para o Governo do Estado do Paraná e busca uma reunião com a Secretaria Estadual de Saúde para tratar do assunto. Em paralelo, também está se reunindo com representantes do Ministério Público do Paraná.

Outro lado

A reportagem do RIC Mais entrou em contato com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), que enviou a seguinte nota:

A Secretaria da Saúde do Paraná enviou nesta sexta-feira (28) orientação para as 22ª Regionais de Saúde para que iniciem a vacinação dos trabalhadores da Assistência Social contra a Covid-19.

‘Consideramos este grupo prioritário e desde a publicação da nossa primeira versão do Plano Estadual de Vacinação, em fevereiro deste ano, os profissionais já estão incluídos junto aos trabalhadores da Educação; a vacinação deste grupo de trabalhadores está aprovada em reunião da Comissão Bipartite’, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

A vacinação dos trabalhadores, que atuam nos CRAS (Centro de Referência em Assistência Social), CREAS (Centro de referência especializada em Assistência Social) e Casas e Unidades de Acolhimento, será feita a partir da remessa de 352.750 doses da vacina Astrazeneca enviadas nesta sexta-feira (28) para as Regionais de Saúde e que serão distribuídas para os municípios.

‘Para estimativa numérica de doses, os trabalhadores da Assistência Social estão agrupados aos da Educação e segundo Ministério da Saúde, com um total de 169.057 trabalhadores; então orientamos para que cada município continue realizando a sua ação de chamamento para que este público para que tome a vacina contra a Covid’, afirmou a diretora de Vigilância e Atenção em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

‘Nesta estratégia a Sesa recomenda ainda que os municípios solicitem documento ou declaração que comprove a vinculação ativa do profissional com o local de atuação relacionada com a assistência social’, complementou a diretora.

Da remessa enviada nesta sexta-feira (28) para as Regionais de Saúde 11.220 doses estão direcionadas aos trabalhadores da saúde e da assistência social.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.