Notícias

Saúde libera vacinação da população em geral em locais que avançarem com prioridades

Reuters
Reuters
Saúde libera vacinação da população em geral em locais que avançarem com prioridades
Vacinação em Manaus

28 de maio de 2021 - 16:45 - Atualizado em 28 de maio de 2021 - 16:46

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira o início da vacinação contra Covid-19 da população com idades entre 18 e 59 anos, em ordem decrescente de idade, mas dirigentes da pasta ressalvaram em entrevista coletiva que a imunização vai depender do avanço da imunização dos grupos prioritários, como profissionais de educação, e a disponibilidade de doses.

A decisão de iniciar a vacinação da população em geral, segundo a pasta, decorre de uma demanda diminuída de grupos prioritários elencados no plano de imunização, de acordo com o ministério

A vacinação da população em geral ocorrerá concomitantemente com as pessoas dos grupos prioritários que ainda não foram vacinadas, como os profissionais de educação, e começará de forma escalonada com a faixa etária mais idosa por se tratar da população com maior risco de complicações e óbitos decorrente da Covid-19.

“De maneira concomitante, será iniciada a vacinação da população geral (18 a 59 anos), de maneira escalonada e por faixas etárias decrescentes, até o atendimento total da população brasileira acima de 18 anos”, disse o ministério em nota técnica.

“Portanto, deve-se manter a vacinação dos grupos prioritários, conforme previsto no PNI, e Estados e Municípios que não apresentam demanda ou tenham demanda diminuída para vacinação dos grupos com maior vulnerabilidade e trabalhadores de educação, poderão pactuar em Comissão Intergestores Biparte a adoção imediata da estratégia de vacinação segundo a faixa etária em ordem decrescente de idade garantindo o percentual para continuidade da vacinação dos demais grupos prioritários”, destacou o documento.

Segundo a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fontana, haverá o envio de um percentual de doses para a população em geral ser vacinada nos Estados e municípios, mas a decisão dos quantitativos vai depender da realidade das localidades.

“Vai depender muito da realidade local. A estratégia inicial é concluir até o grupo dos trabalhadores de educação”, disse Francieli. “Se o município tiver uma demanda bastante reduzida, se não haver procura… já pode abrir (para a população geral). Então é uma avaliação local”, ressaltou.

O secretário-executivo da pasta, Rodrigo Cruz, afirmou que o país deve receber 43,8 milhões de vacinas contra Covid-19 no próximo mês.

Do total, 29,9 milhões serão da AstraZeneca, 12 milhões da vacina da Pfizer, 6 milhões da CoronaVac e mais 4,8 milhões pelo Covax Facility (4 milhões da AstraZeneca e 842 mil da Pfizer).

Até o momento o Brasil vacinou 43,7 milhões de pessoas com a primeira dose, o que equivale a 20,8% da população, e 21,5 milhões com as duas doses. Apenas o grupo prioritário soma 78,2 milhões de pessoas.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH4R13E-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.