Notícias

Samba-enredo paulista idealiza Curitiba e divide opiniões

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

26 de fevereiro de 2017 - 00:00 - Atualizado em 26 de fevereiro de 2017 - 00:00

A musa Gil Jung no desfile da Nenê Vila Matilde (Foto: Nelson Coelho, Agência O Dia, Estadão Conteúdo)

Teve quem ficasse orgulhoso e quem dissesse que a cidade exaltada na avenida não existe mais

Quase na manhã deste domingo (26), Curitiba foi homenageada por um samba-enredo da escola Nenê Vila Matilde no segundo dia dos desfiles no Anhembi, na madrugada de sábado para domingo (26).

O samba é “Coré Etuba – A ópera de todos os povos, terra de todas as gentes, Curitiba de todos os sonhos”. 

A letra fala em “imenso paraíso”, cita azaleias, araucárias e ipês, elogia a formação multicultural da capital paranaense e chega ao auge da exaltação nos versos “poesia colorindo as calçadas / sorriso no rosto, meu povo é mais feliz / futuro, qualidade, educação / exemplo de modelo à nação / águia guerreira, um ato de amor / Curitiba é sinfonia genial / que vai brilhar, no palco no meu carnaval”.

A letra está dividindo opiniões. Tem curitibano orgulhoso de ter visto tantas referências locais refletidas no samba e na alegoria da escola – um carro, por exemplo, representou o Jardim Botânico e a Ópera de Arame.

Por outro lado, um editor da Gazeta do Povo escreveu que “A Nenê fez uma bela homenagem a Curitiba. Pena que essa cidade não existe mais”, acrescentando: “Isso, claro, não é culpa da escola. É culpa única e exclusiva dos curitibanos”. 

O desfile da Nenê Vila Matilde estava previsto para 3h55, mas só começou às 5h30 porque o presidente da escola se recusou a iniciar o desfile com o chão molhado.

O samba-enredo pode ser lido e escutado aqui.

Eclipses 

Na própria Curitiba, até a noite deste domingo o Carnaval teve zumbis, eclipse solar e escolas de samba desfilando com verbas reduzidas.

Os zumbis, claro, eram parte da Zombie Walk, que é realizada na cidade desde 2009 e esta semana chegou a ser cancelada após impasse com a prefeitura, mas acabou sendo confirmada na quinta e ocorrendo na tarde de hoje (26), com milhares de foliões. 

O eclipse pôde ser observado de manhã, mesmo com o tempo parcialmente nublado, e chegou a 43% de sol oculto.

Já o desfile das escolas de samba teve um eclipse monetário – as escolas dos grupo A e B da cidade viram este ano apenas 50% da verba recebida em 2016 (R$ 30 mil no caso do grupo A e R$ 18 mil no do grupo B, contra R$ 60 mil e R$ 36 mil, respectivamente, recebidos no ano passado).

Ainda assim, o prefeito Rafael Greca esteve presente na avenida e esboçou um samba diante dos carnavalescos inconformados. Entoando internamente, talvez, a “Curitiba de todos os sonhos” exaltada pela Nenê Vila Matilde lá em São Paulo.  

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.